fbpx

Filha cuida de pai com demência criando histórias junto com ele

Entre lamentar o estado do pai ou mergulhar na sua imaginação, a filha fez a escolha certa.


mulher cuida pai demência criatividade
PUBLICIDADE ANUNCIE

A doença de Alzheimer é um dos tipos de demência degenerativa mais conhecido. O problema afeta 1 milhão de brasileiros, segundo a Associação Brasileira de Alzheimer. Estimular a memória e rever hábitos alimentares e de lazer ajudam a evitar a doença ou amenizar seus efeitos.

Os familiares ou cuidadores de pessoas com demência têm um papel importante no tratamento. Além de seguir as recomendações dos médicos, vale também ser criativo: mergulhar no universo criado pelo paciente na sua cabeça, ao invés de tentar tirá-lo de lá e causar mais sofrimento para as duas partes.

Leia também: Avó com Alzheimer emociona neta ao lembrar do seu nome

É o que decidiu fazer a Ana Paula da Silva, 47 anos, filha de Jordilineo Timoteo, 85 anos, que tem Alzheimer e criou um universo que existe apenas na cabeça dele. Quem conta essa linda história sobre acolhimento é a neta de Jordilineo e filha de Ana Paula, Tamara Mirely Silveira, 32 anos.

Ela diz que a mãe é um ser iluminado, que lida com as adversidades da doença do avô com “uma maestria incrível”. Ana Paula poderia lamentar o estado do seu pai ou embarcar nas histórias que ele cria, deixando o ambiente familiar mais divertido e dando um chega pra lá na tristeza.

mulher cuida pai demência criatividade
Ana Paula assumiu a tutela do pai, que tem demência, há três anos

Ela escolheu a segunda opção. E tudo é feito com absoluta naturalidade, transbordando o amor de uma filha que sabe que aumentaria o sofrimento do pai dela caso demonstrasse que aquilo o que ele diz não é ‘real’.

Jordilineo teve câncer de pele antes do diagnóstico da demência. Ele morava em Sertânia, Pernambuco, antes de Ana Paula ir buscá-lo para morar com ela em Nova Floresta, na Paraíba, três anos atrás. Ela assumiu a tutela do pai para cuidar tanto da sua saúde mental quanto do câncer.

Mas, Jordilineo quer logo voltar para sua terra natal. Recentemente, ele chegou até a arrumar a mala para pegar a estrada, pois tinha dois ‘filhos’ para criar. É em momentos como esse que Ana Paula usa sua criatividade para o pai desistir de ideias que não farão bem a ele.

“Ele arrumou todas as suas coisas e disse que ia embora porque tinha dois meninos para criar e meu padrasto estava o prendendo dentro de casa. Uma das nossas preocupações é não deixar ele fugir.  Então, minha mãe perguntou: ‘Como você vai viajar se nem fez a barba?’. E mostrou ele no espelho. Meu avô respondeu: ‘Eita, é verdade!’. Ele foi para o banheiro, fez a barba e penteou o cabelo”, conta Tamara em conversa com o Razões para Acreditar.

Quando voltou, Ana Paula disse que o ônibus tinha passado e que Jordilineo não poderia mais viajar naquele momento. O idoso aceitou que perdeu o ônibus e desistiu da viagem.

Jordilineo também acredita que o Brasil está em guerra com um país chamado ‘Angelica’. Por conta da incontinência urinária, ele deve usar fraldas descartáveis, mas estava com o hábito de urinar na sala de casa.

PUBLICIDADE ANUNCIE

Um ser iluminado.

Uma publicação compartilhada por Razões Para Acreditar (@razoesparaacreditar) em

Foi quando Ana Paula, que tem 5 gatos, disse para ele vigiar a sala e saber quais gatos estavam urinando no sofá e nos cantos das paredes. Desde então, Jordilineo tem a missão de manter a sala limpa para a vistoria do ‘Exército’. A filha comprou uma cadeira para ele sentar na sala e treinar suas habilidades de observação. Ana Paula até o promoveu de capitão para coronel do ‘Exército’.

“Hoje, voinho ‘trabalha’ na observação dos gatos, quantas vezes eles fazem xixi e onde fazem. É muito interessante porque é uma forma que minha mãe criou para ele parar de fazer xixi na sala”, afirma Tamara.

Outro momento divertido, segundo a neta, é quando o avô toma suco de uva acreditando que é um vinho com 99% de álcool.

“Ele chega na mesa e bate bem forte: ‘Menina, quero tomar uma hoje!’. Eu digo: ‘Voinho, não vai beber não, se o senhor cair aqui quem vai levar o senhor?’. Depois dele insistir muito, a gente traz suco integral de uva e fala: ‘Olhe, vovô, 99% de álcool, viu? Esse aqui é de uma safra especial. Aí ele toma, dá cinco minutos e ele diz: ‘Menina, me leve ali pra minha cama, que eu tô bebinho. Me leve menina, que eu tô cego, cego’”, lembra Tamara, sorrindo.

Você deve estar se divertindo, mas tem mais. Ana Paula precisa vigiar o pai para ele não sair de casa no meio da noite. Para isso, ela tirou a porta do quarto de Jordilineo – todos os quartos da casa estão voltados para a sala.

“Minha mãe explicou que o quarto dele não ia ter mais porta e que está desconfiando que meu padrasto sai todo dia de madrugada para as ‘festas’, né? Ela disse que vovô tem a missão de ficar bem caladinho na madrugada observando o movimento da sala, para ver se meu padrasto sai enquanto todos dormem. Todos os dias, minha mãe pergunta: ‘Ele [padrasto] saiu ontem?’. E voinho fala: ‘Saiu!’. Mas, meu padrasto não sai nem do quarto, sabe? Meu avô tem certeza que ele saiu”, diz Tamara.

Tamara tem muitas razões para ter orgulho da mãe. “Tenho muito orgulho, muito mesmo!”. Todo os dias, Ana Paula compra um bilhete novo para embarcar na imaginação de Jordilineo. Ela alimenta e cria histórias que auxiliam no tratamento da demência do pai. De histórias para o idoso não sair de casa no meio da noite até histórias para ele cuidar da sua saúde. ❤

banner

crédito das fotos: Tamara Mirely Silveira/Arquivo pessoal

PUBLICIDADE ANUNCIE

PUBLICIDADE ANUNCIE

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar