Para superar trauma de infância, empresário de Urussanga (SC) virou o Batman do Brasil


Muitos heróis têm uma identidade secreta e não é preciso ir até Gotham City para descobrir quem é o Homem-Morcego. Com moto, uniforme e máscara que lembram às do ator Christian Bale, que encarnou o personagem na trilogia do diretor Christopher Nolan, o empresário Cristiano Zanetta cativa crianças e adultos por onde passa. Natural de Clevelândia, no Paraná, Zanetta, de 38 anos, é formado em Educação Física, proprietário de uma academia e mora hoje em Urussanga (SC).

Ele participa de eventos na região como o Batman do Brasil, mas são as visitas que realiza a hospitais a parte mais tocante de seu trabalho como o herói dos quadrinhos, tv e cinema. Essa atuação com o personagem começou há oito anos devido ao surgimento de um câncer em seu pai. Ao longo do processo da doença, Zanetta viu o genitor desenvolver depressão. O filho já participava do projeto Doutores da Alegria e também se vestia de palhaço ao realizar ações sociais. Essas iniciativas, porém, o empresário percebeu que não surtiam o efeito esperado e a preocupação com o estado emocional do pai só crescia.

Até que conseguiu incentivá-lo a lutar pela vida, de maneira diferente, usando a questão da inteligência emocional. O rapaz conseguiu convencer o pai a realizar uma importante cirurgia e o procedimento ocorreu bem. Ficou para o filho cumprir a promessa de levar a força e a motivação do Batman até às crianças que enfrentavam o câncer e a depressão. Só que ele teve de lidar com a resistência de entrar em um hospital com a postura e o uniforme do personagem.

Nesse meio tempo, o pai adquiriu um novo câncer e a filha do jovem sofreu um afogamento, o que poderia ter levado a pequena a óbito. O rapaz teve que ainda prestar socorro para a menina com a ajuda dos bombeiros. Apesar de toda a aflição, o empresário não perdeu a fé e conseguiu socorrer o bebê. Passado esse susto, Zanetta decidiu começar a fazer as visitas mesmo escondido. Um dia, em Criciúma, conheceu uma criança que estava entre a vida e a morte. A partir daí, o rapaz foi autorizado a fazer o trabalho sem restrições, porque o estabelecimento sabia que ele realizava essa ação e também porque a recepção dos pequenos era muito positiva.

batmannessafbAtualmente essas idas às instituições hospitalares ocorrem pelo menos uma vez por semana. “Eu faço muita visita também quando a criança acaba desistindo e o hospital não pode fazer a quimioterapia; eles acabam liberando a criança para ir para casa, e os pais acabam me ligando. Então, eu faço viagens também ao redor aqui da região: Lages, já fui para Araranguá, Florianópolis.

Onde o dinheiro me permite e as ajudas das pessoas, eu acabo levando minha batmoto, eu vou de roupa do Batman (minha roupa é de motociclista mesmo), e eu acabo indo à casa das pessoas convencer as crianças a não pararem o tratamento e a voltar para o hospital”, conta. Por que o Batman? Quando Cristiano era criança, a casa onde morava pegou fogo. No imóvel, havia mais duas irmãs, e a babá das crianças, que naquele momento estava estendendo roupas no varal, estava do lado de fora da casa. Ela não conseguiu entrar e salvá-las quando o fogo se alastrou.

O menino conseguiu sair e pedir ajuda e, mesmo diante de toda aquela cena, algumas pessoas roubaram a residência, ao invés de ajudar a família. A sorte é que os bombeiros voluntários chegaram ao local e resgataram as meninas. Só daquele dia em diante, Cristiano desenvolveria problemas como a dislexia, tamanho o trauma provocado pelo incêndio. Foi então que uma psicóloga mostrou ao menino o famoso personagem: “Ela me apresentou o Batman: uma pessoa normal, sem super-poderes, que utiliza uma roupa pesada, um cinto de utilidades, e comecei a me identificar com o Corpo de Bombeiros, com aquele cinto, com aquela situação e falei: ‘Pô, esse personagem pode existir de verdade’, e comecei a usá-lo como meu alter-ego. Todas as coisas que eu tentasse fazer e o Cristiano tivesse um bloqueio, eu pensava: ‘E o Batman, o que o Batman faria?’, e eu uso esse pensamento até hoje”, conta.

BatUniforme

A roupa pesa 25 quilos e veio dos Estados Unidos. É feita com o tecido kevlar e couro endurecido, e acompanha o cinto de utilidades com as ferramentas que o herói usa no combate ao crime (soco inglês, spray de pimenta, etc). Há também a máscara, que é de borracha. Já a moto é uma Suzuki, customizada, que teve seu visual finalizado por empresas de Tubarão e Urussanga.

Planos Futuros

O empresário quer ajudar mais ainda as crianças que precisam de tratamento, seja viabilizando procedimentos ou conseguindo apoio de outras pessoas. O problema, segundo ele, que muitas vezes enfrenta é a demora em obter retorno de instituições com relação à ajuda. Já na área profissional, uma das novidades que o empresário vai apresentar em sua academia é a modalidade SuperHero. A prática tem uma mistura de crossfit, parkour, treinamento militar e artes marciais, que são as habilidades que um herói precisa para treinar.


Comentários no Facebook

Acessar

Não tem uma conta?
REGISTRAR

Resetar senha

Voltar para
Acessar

REGISTRAR

Logar

Voltar para
Acessar
Escolher um formato
História
Lista