Arquitetos reformam casas de moradores da favela de Heliópolis, em São Paulo

As famílias recebem visitas técnicas para a elaboração do diagnóstico, definição da obra a ser executada e apresentação do orçamento.


Muitas famílias que vivem na favela de Heliópolis, SP, residem em moradias precárias, com problemas de infiltração, mofo, umidade, pouca ventilação e iluminação. Um risco para a segurança e saúde.

Mas, pouco a pouco, essa realidade começa a mudar na “cidade do sol”. E graças a iniciativas como a da ONG Habitat para a Humanidade. O projeto Habitat na Comunidade oferece consultoria de arquitetura e crédito para reformar as moradias construídas pelas próprias famílias.

“As famílias me chamavam para ver como eram as suas casas, e eu ficava angustiada. Não concebia como as pessoas moravam naquela condição e não tinham a consciência de que a insalubridade poderia levar a riscos à saúde e acidentes”, relembra a arquiteta Mariana Estevão, quem está à frente do projeto.

o-habitat-para-humanidade-570
o-habitat-570

O projeto Habitat na Comunidade teve início em 2013. Desde então, mais de 760 famílias tiveram suas casas reformadas e hoje residem em lares mais seguros e saudáveis.

Leia também: Arquitetos constroem minicasas em apenas 6 horas para pessoas em situação de rua

“Começamos a experimentar. No início não tínhamos metodologias definidas, não sabíamos a recepção, as reais necessidades e os custos. Hoje, fazemos o diagnóstico da casa, identificamos os problemas principais, planejamos as intervenções necessárias e definimos as prioridades”, explica a arquiteta.

slide_507014_7092398_compressed

As famílias precisam atender critérios de vulnerabilidade social para participar do projeto. Famílias lideradas por mulheres, com crianças e idosos, que tenham doenças crônicas ou deficiência têm prioridade. A família também precisa ter uma renda fixa de 3 salários mínimos. Outro critério são as condições do imóvel – se a estrutura corre risco de desabar, se mais de três pessoas dividem o mesmo cômodo, se há falta de ventilação e iluminação, ou presença de umidade, etc. Por enquanto, não é exigido o título de propriedade do imóvel, apenas a comprovação da posse.

slide_507014_7092416_compressed

Depois que a família é incluída no projeto, ela passa a receber visitas técnicas para a elaboração do diagnóstico, definição da obra a ser executada e apresentação do orçamento. As reformas são acompanhadas por um arquiteto e um técnico de construção.

heliopolis

Quer fazer parte? Ajude a construir lares para 4 famílias em Heliópolis! Doe e divulgue aqui.

Saiba mais sobre o projeto no vídeo abaixo:

Com informações do HUFFPOST BRASIL / Todas as imagens: Reprodução

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar