Nunca antes um discurso foi tão atual como o de Chaplin no filme “O grande ditador”


3393 shares Compartilhar Tweet WhatsApp

Vivemos um momento político muito intenso, em que a população torna-se realmente ativa na luta por um país melhor.

Por isso, o discurso de um filme tão antigo cai como uma luva e torna-se mais atual do que nunca. Nele lemos sobre sentimentos que devem unir uma nação: bondade, ajudar, respeitar, entre outros.

Vale apena parar 4 minutos para ler ou assistir esse lindo conteúdo e refletir sobre o que queremos mesmo daqui para frente.

“Desculpem-me, mas eu não quero ser um Imperador, esse não é o meu objectivo.  Eu não pretendo governar ou conquistar ninguém.

Gostaria de ajudar a todos, se possível, judeus, gentios, negros, brancos. Todos nós queremos ajudar-nos uns aos outros, os seres humanos são assim. Todos nós queremos viver pela felicidade dos outros, não pela miséria alheia. Não queremos odiar e desprezar o outro. Neste mundo há espaço para todos e a terra é rica e pode prover para todos.

O nosso modo de vida pode ser livre e belo. Mas nós estamos perdidos no caminho.

A ganância envenenou a alma dos homens, e barricou o mundo com ódio; ela colocou-nos no caminho da miséria e do derramamento de sangue.

Nós desenvolvemos a velocidade, mas sentimo-nos enclausurados. As máquinas que produzem abundância têm-nos deixado na penúria. O aumento dos nossos conhecimentos tornou-nos cépticos; a nossa inteligência, empedernidos e cruéis. Pensamos em demasia e sentimos bem pouco. Mais do que máquinas, precisamos de humanidade. Mais do que inteligência, precisamos de afeição e doçura. Sem essas virtudes, a vida será de violência e tudo será perdido.

O avião e o rádio aproximaram-nos. A própria natureza destas invenções clama pela bondade do homem, um apelo à fraternidade universal, à união de todos nós. Mesmo agora a minha voz chega a milhões em todo o mundo, milhões de desesperados, homens, mulheres, crianças, vítimas de um sistema que tortura seres humanos e encarcera inocentes. Para aqueles que me podem ouvir eu digo: “Não se desesperem”.


Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar
Escolher um formato
História
Lista