Estudantes de São Paulo vivenciam a realidade de deficientes visuais

Até o final de julho, estudantes da rede pública de ensino participarão de atividades que simulam a realidade vivida por deficientes visuais.


estudantes são paulo vivenciam realidade deficientes visuais

Até o final deste mês, estudantes da rede pública de ensino de São Paulo participarão de atividades que simulam a realidade vivida por deficientes visuais e pessoas com baixa visão.

As atividades fazem parte do programa ‘Incluindo com o Centro de Memória’, que surge de uma parceria entre a Fundação Sorina Nowill para Cegos e o Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (FUMCAD), do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente e da Prefeitura de São Paulo.

Leia também: Aplicativo ajuda deficientes visuais a identificar ônibus antes de embarcar

A Fundação Sorina Nowill para Cegos realiza serviços gratuitos e especializados de orientação e mobilidade, clínica de visão subnormal e programas de inclusão educacional e profissional, conforme informações do site Observatório do Terceiro Setor.

Estudantes de diferentes faixas etárias, entre 7 e 17 anos, nos períodos da manhã e tarde, passarão pelas experiências de caminhar com olhos vendados, utilizando bengalas ou sendo guiados pelos colegas.

Leia também: Fonoaudióloga reproduz condição de crianças em bonecos

O programa sensibiliza os estudantes para interagir com os deficientes visuais ou para oferecer ajuda quando for necessário, principalmente em locais públicos, evitando acidentes graves.

As atividades também incluem o contato com o alfabeto e livros em braile, bolas com guizos e outras ações que aproximam os estudantes da realidade dos deficientes visuais e de pessoas com baixa visão.

Diretores, coordenadores ou professores das escolas que ainda não se inscreveram no projeto devem entrar em contato com a Fundação Sorina Nowill para Cegos através do e-mail [email protected].

crédito da foto: divulgação


Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar