Horta Educativa desperta consciência sustentável, ensina sobre alimentação saudável e facilita aprendizado em sala de aula


alimentação saudável
115 shares Compartilhar Tweet WhatsApp

Ingrid Vogl

Alface crespa, lisa, roxa, americana, couve, couve flor, rabanete, abobrinha, feijão, pimenta, pimentão, tomate…A variedade de verduras e legumes é grande na horta que é cuidada com carinho e empolgação pelos alunos da Escola Estadual Artur Segurado, em Campinas/SP.


Ouça essa matéria! Clique no play acima e conheça mais sobre esse projeto!

No local onde a próspera horta cresce colorida e saudável, os canteiros verticais e horizontais são feitos com materiais recicláveis, como garrafas pets, galões e até mesmo estruturas plásticas de ventiladores que já não funcionavam mais. Tudo cultivado de maneira orgânica. A horta é uma das atrações da escola e motivo de orgulho e interesse dos 520 alunos dos anos iniciais do ensino fundamental (1º ao 5º ano) que lá estão matriculados.

“Tudo que está plantado na horta é saudável e aprendemos que existem muitos tipos de verdura. Temos que cuidar das plantas com carinho e da maneira certa”, ensinou David de Sousa, 6 anos, aluno do 1º ano.

A escola desenvolve o Projeto Horta Educativa desde 2014. A ação do governo do Estado de São Paulo é uma parceria entre as Secretarias da Educação, Agricultura e Abastecimento, além do Fundo Social de Solidariedade. O objetivo da ação é formar valores sociais, culturais e alimentares nas crianças integrando ensinamentos sobre sustentabilidade e hábitos alimentares saudáveis.

Mas a experiência dos alunos da EE Artur Segurado com a horta vai muito além do objetivo do projeto, já que tudo o que é vivenciado pelas crianças também é trabalhado em sala de aula, em disciplinas como ciências, português e matemática.

“A principal importância pedagógica da horta é a estratégia de se trabalhar com a prática, e isso facilita o trabalho do professor. Assim, conseguimos englobar as informações sobre a horta em todas as disciplinas. A prática ajuda na assimilação do aprendizado das crianças de maneira global”, avaliou Vera Lucia Coelho, professora.

Outra mudança percebida pelas educadoras diz respeito aos hábitos alimentares das crianças. Segundo Márcia Leopoldina Ferreira de Oliveira, diretora, muitas famílias passaram a elaborar receitas mais saudáveis em casa. Na hora da merenda na escola, também foi observado que os alunos passaram a comer mais verduras e folhas e houve menos desperdício dos alimentos oferecidos às crianças.

“Muitos alunos nunca tinham comido alface em casa e tiveram essa experiência pela primeira vez aqui na escola e assim, passaram a incluir esse hábito tanto aqui quanto em casa”, relatou Katia Guimarães Gonzalez, professora coordenadora. Isso pode ser constatado em dias de colheita e prova das hortaliças.

Empolgadas, as crianças participam de todo o processo, até o momento em que são servidas as folhas, ou temperadas com azeite, vinagre e sal, ou de outras formas. Geralmente, os alunos pedem para repetir o prato de verduras e no fim, não sobra nada na vasilha.

Segundo Maristela Lara Dante Weffort, assessora técnica do Projeto FEAC na Escola que em sua 2ª edição teve a EE Artur Segurado no rol de participantes, as atividades que envolvem a horta da escola são completas, no sentido de que proporcionam conhecimentos pedagógicos, relacionamento entre os membros da comunidade escolar, sustentabilidade e mudança de hábitos alimentares.

“Cabe destacar o relacionamento intergeracional, uma vez que o funcionário responsável pela horta tem saberes diferenciados e pode contribuir com o processo de ensino e aprendizagem dos alunos. Esta foi uma das reflexões desenvolvidas com a equipe gestora da escola durante a execução do FEAC na Escola, dentro do eixo Gestão de Pessoas e Processos”, explicou Maristela.

Mãos na terra

No Horta Educativa, as crianças experimentam todas as etapas do desenvolvimento das hortaliças: desde o plantio no sementário que tem capacidade para 750 sementes; o acompanhamento da germinação; replantio nos canteiros e crescimento das mudas, até a colheita, higienização e degustação dos alimentos, que pode ser em forma de salada, sanduíche natural ou outra receita saudável. Em três ou quatro meses, todo o ciclo da horta se completa e neste período, os alunos se familiarizam e se apropriam de conhecimentos relacionados às verduras e legumes.

Materiais didáticos também fazem parte do projeto, que destina livros com orientações para educadores, alunos, famílias e o cuidador da horta. Em cada livro direcionado, há informações sobre os alimentos, receitas, sugestões de atividades pedagógicas a serem desenvolvidas em sala de aula e orientações sobre como preparar e desenvolver aulas relacionadas com a horta.

São trabalhadas informações como os tipos de grupos de alimentos: energéticos, construtores, reguladores, até sugestões de como montar uma lancheira saudável. Para incrementar e tornar o assunto ainda mais familiarizado entre os alunos, a direção da escola pretende criar um banner que mostra frutas, verduras e legumes e suas respectivas épocas de colheita.

Para o responsável por manter a horta na escola, além do livro com orientações, foi proporcionado um curso no Instituto Agronômico de Campinas (IAC) com informações que vão desde como fazer a horta de maneira sustentável e reaproveitando de materiais como garrafas pets; como escolher as hortaliças que melhor se adaptam à horta a ser criada, irrigação, até como evitar e eliminar pragas. Tudo para garantir que a horta seja 100% orgânica.

Na EE Artur Segurado, Simão Hespanhol é o responsável por cuidar e manter a horta. Sempre que as turmas de alunos estão acompanhando ou desenvolvendo alguma atividade com as hortaliças, o cuidador faz questão de explicar todas as etapas e ainda passa informações sobre as plantas e incentiva a participação das crianças em todo o processo.

“Quando o assunto é novo, ele sempre desperta interesse nas crianças. Muitos fazem questionamentos sobre os alimentos que cultivamos e essa troca é muito interessante. Aqui a gente semeia a ideia de que se na escola é possível ter uma horta, em casa também é”, afirmou Simão.

As ferramentas para os cuidados com a horta, como enxada, carriola e outros também foram disponibilizados pelo projeto. A Horta Educativa ainda conta com uma avaliação que deve ser enviada para que o governo do Estado acompanhe como está a evolução do desenvolvimento do projeto e os resultados alcançados.

De grão em grão, a horta da escola vai semeando uma consciência sustentável entre os alunos, que acabam multiplicando junto aos familiares a ideia de hábitos e uma alimentação saudável, que é possível ser feita de maneira ecologicamente correta.

Saiba mais sobre o projeto Horta Educativa: http://www.fundosocial.sp.gov.br/portal.php/programas-projetos-horta-educativa

Saiba mais sobre a escola: https://www.facebook.com/pages/escola-estadual-Artur-Segurado/157854294249687

Saiba mais sobre o FEAC na Escola: http://www.feac.org.br/feac-na-escola/


Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar
Escolher um formato
História
Lista