Em SP, professor cria “Quebrada Maps” para ensinar geografia de maneira diferente


248 shares Compartilhar Tweet WhatsApp

Existe maneira mais eficiente do que aprender na prática? Foi pensando nisso que uma escola pública localizada na zona leste de São Paulo, a Padre Chico Falconi, criou um projeto onde os alunos criam os próprios mapas. O projeto chama “Quebrada Maps” e esta nova maneira de se ensinar geografia foi ideia do professor Wellington Fernandes, com o objetivo de conectar as aulas com a realidade dos estudantes da região que fica entre os distritos de Guaianases e Itaim Paulista.

Relacionado: Para ajudar colegas cegos, estudantes criam mapa acessível

O professor diz que: “A ideia é criar a nossa cartografia, representar nossas identidades e falar sobre o território” e sua iniciativa até já rendeu o prêmio Vai Tec (Valorização de Iniciativas Tecnológicas), em 2017. Nele, os alunos produzem vídeos, criam mapas e divulgam os dados coletados e através de uma simples imagem eles podem visualizar onde todos os alunos da sala moram, por exemplo.

Uma das alunas que participam deste projeto é Jennifer Paiva, de 13 anos e ela se diz orgulhosa: “Nós mapeamos os lugares onde poderíamos ter aulas. Conheci lugares que nunca tinha ido. Se vierem para a zona leste pela primeira vez, conheçam a Casa de Cultura do Itaim Paulista”.

Mas o projeto também possui um outro foco, que é o de coletar depoimentos, construindo assim um mapa colaborativo, que aborda entre outros temas, o preconceito: “Tivemos a ideia de criar um mural com as palavras que mais apareceram. Depois fomos estudar e ver filmes sobre a África. Foi bem interessante”, diz a estudante Evelyn Miranda.

O professor explica qual é o objetivo: “São as imagens que os entrevistados têm sobre a África, muitas delas revelam os estereótipos, depois construímos um contraponto a partir de imagens reais no Google Street View” e afirma que essa é uma maneira eficaz dos alunos aprenderem e começarem a se apropriar do espaço, tendo muito mais conhecimento da cidade onde vivem.

 

Com informações de Folha

Fotos: Sheyla Melo / Agência Mural


Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar