Universidade Federal do Amazonas forma primeiro mestre surdo


Universidade Federal do Amazonas
26535 shares Compartilhar Tweet WhatsApp

Hamilton Pereira, tem 42 anos, é surdo e possui uma vida repleta de conquistas. Além de ter sido o primeiro docente surdo concursado na universidade federal do Amazonas (UFAM), ele é o coordenador do curso de Letras (Libras) da Universidade e, o primeiro aluno surdo a conquistar o título de mestre junto ao Programa de Pós-Graduação em Sociedade e Cultura da Amazônia (PPGSCA).

A sua dissertação de mestrado foi aprovada em março deste ano e através do trabalho “A Interpretação da Amazônia na Língua Brasileira de Sinais – Libras: um estudo de caso no PPGSCA”, ele criou cerca de 50 sinais em Libras para explicar a Teoria da Complexidade de Edgar Morin, um dos antropólogos e sociólogos mais importantes da atualidade.

Em entrevista à Gazeta do Povo, o mestre diz que sua vida acadêmica sempre representou um verdadeiro desafio: “Quando troquei de escola e me tornei o único surdo da sala, encontrei muitas barreiras. Não havia intérpretes, nada era acessível e eu sequer sabia escrever. Me sentia muito sozinho. Só quando ingressei no supletivo, em 1996, que eu consegui progredir, já pensando no ensino superior”.

Hamilton, que se formou em Pedagogia, em 2010, diz que sempre pensou em ser professor e que se orgulha de tudo que vem conquistando até hoje: “Infelizmente, a sociedade ainda enxerga o surdo como um “coitado”: mas agora, sendo formado e mestre, sinto uma satisfação indescritível”.

Leia também: No RJ, professor tira dúvidas de física e matemática de graça para quem precisar

A ideia de estudar a interpretação da Amazônia na Língua Brasileira de Sinais em sua dissertação, surgiu quando ele começou a observar os surdos indígenas do interior do Amazonas e a indagar esta questão, levando-a para a realidade acadêmica.

Enfrentando o fato de ter sido o único aluno surdo em uma sala com 19 alunos de mestrado, ele reconhece a ajuda de alunos e professores que facilitaram o seu processo de aprendizagem e diz que o próximo passo é fazer doutorado.

Inspirando mais pessoas que vivem a mesma situação que ele, Hamilton diz que os surdos podem e devem se apropriar dos espaços de aprendizagem: “Penso que se faz necessário a presença dos surdos nesses espaços científicos e sinto como se portas fossem abertas, para que cada vez mais os surdos possam se apropriar e construir conhecimentos nos diversos espaços da Universidade Federal do Amazonas”.

Universidade Federal do Amazonas

Com informações de Gazeta do Povo

Fotos: Cortesia Hamilton Pereira



Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar