fbpx

Ao defender filho de bullying, pai transforma raiva em amizade


Ao defender filho de bullying, pai transforma raiva em amizade
PUBLICIDADE ANUNCIE

Quando o filho de oito anos de idade de Aubrey Fontenot, Jordan, estava sendo intimidado na escola por um colega de 11 anos chamado Tamarion, seu pai, residente de Houston, no estado do Texas (EUA), decidiu intervir. No entanto, sua atitude o fez lembrar que nem sempre as coisas são de fato o que aparentam.

“Meu filho recebe relatórios diários do seu progresso durante as aulas e tudo o que acontece com ele na escola. No relatório, percebi diversos desentendimentos entre ele e um colega. Sempre tiveram problemas. Na verdade, meu filho estava sofrendo bullying”, diz Fontenot, que é tatuador, ao jornal Houston Chronicle.

“Eu perguntei ao meu filho sobre o que estava acontecendo e ele me disse que seu colega estava o tratando muito mal, sendo extremamente rude.”

Ao defender filho de bullying, pai transforma raiva em amizade
Jordan e Tamarion no jogo de futebol americano dos Houston Texans (Foto: Reprodução / Instagram)

Um preocupado Fontenot foi à escola em busca de ajuda. “Disse a eles que coisas assim podem ser muito traumáticas para uma criança; não sabíamos o que meu filho estava passando. Disseram que cuidariam disso”, diz ele.

Leia tambémMenino de 9 anos visita escolas para falar sobre o bullying no Paraná

Depois de outro caso de bullying ocorrido uma semana depois, Fontenot, perturbado, voltou à diretoria da escola. Desta vez, uma conversa com a mãe de Tamarion, numa reunião de pais, revelou que a família enfrentava sérias dificuldades financeiras e perderam a casa onde moravam.

“Eu decidi que queria falar com o garoto e sua mãe me deu permissão”, disse o pai de Jordan.

O jovem Tamarion admitiu ter inveja de Jordan. O motivo dessa inveja? Suas roupas eram limpas.

“Tamarion disse que estava sendo ridicularizado pelas outras crianças. Seus colegas diziam que seus sapatos eram baratos e suas roupas estavam sujas.”

PUBLICIDADE ANUNCIE
Ao defender filho de bullying, pai transforma raiva em amizade
O pai de Jordan, Aubrey Fontenot. (Foto: Reprodução)

Ao invés de trazer ainda mais problemas e complicar a situação, Fontenot optou pela gentileza e humanidade ao invés da grosseria e da violência.

Na semana seguinte, o pai de Jordan e o garoto que o agredia foram às compras num shopping. “Achei que poderia ajudar tanto ele quanto meu filho a melhorarem a situação.”

Leia tambémPor que o bullying afeta não só as crianças, mas toda a família

A experiência veio com importantes lições de vida para as crianças. O conselho de Fontenot para Tamarion começou explicando que todos nós cometemos erros, e isso é normal.

“Eu disse ao rapaz que ele é uma ótima pessoa e essa [situação] não o torna uma pessoa ruim”, disse.

“Também disse a ele que não importa a situação, você tem que andar sempre de cabeça e peito erguidos Este mundo é difícil. Você não pode deixar que as pessoas digam coisas erradas à seu respeito, tampouco derrubarem sua autoconfiança.”

Ao defender filho de bullying, pai transforma raiva em amizade
Tamarion e Jordan, agora amigos (Foto: Reprodução)

Quanto ao filho de Fontenot, Jordan, também aprendeu algo valioso. “Eu disse ao meu filho que se você colocar coisas boas no mundo, as coisas boas voltarão para você.”

Hoje os dois garotos são amigos. Deixaram o ciclo de bullying para trás. E o tatuador abriu uma campanha ou vaquinha virtual no GoFundMe para beneficiar Tamarion e sua família com uma moradia nova.

O objetivo da campanha era arrecadar US$ 7.000 (R$ 26.600), mas até agora eles arrecadaram incríveis US$ 32.000 (R$ 121.600).

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Fonte: Revista Crescer / Chron
Foto: Reprodução / Instagram

PUBLICIDADE ANUNCIE

PUBLICIDADE ANUNCIE

Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar