fbpx

População se mobiliza e paga vendedor de frutas que teve mercadoria apreendida

"Têm pessoas que sabem ajudar e querem o bem", disse o vendedor de frutas Jonathan.


população paga mercadoria vendedor frutas apreendidas
PUBLICIDADE ANUNCIE

O vendedor ambulante de frutas Jonathan teve sua mercadoria apreendida durante uma fiscalização, na cidade de Araxá (MG). Ele ficou emocionado depois que pessoas que passavam pelo local pagaram a mercadoria recolhida para ele não ter prejuízo.

Funcionários do Instituto de Planejamento e Desenvolvimento Sustentável de Araxá (IPDSA) recolheram as frutas que o ambulante vendia no Centro da cidade. Logo depois, inconformadas com a cena que presenciaram, um grupo de pessoas fez uma vaquinha e deu o dinheiro para Jonathan, uma história parecida aconteceu novamente em Minas, onde um homem que vendia coxinha e suco teve mercadoria apreendida, relembre aqui.

A cena foi gravada e repercutiu bastante na internet, com muita gente dizendo que existem coisas que precisam ser fiscalizadas no país, mas não são…

A post shared by Razões Para Acreditar (@razoesparaacreditar) on

PUBLICIDADE ANUNCIE

“Nem tudo no mundo está perdido. Têm pessoas que sabem ajudar e querem o bem. Nunca passei por essa experiência. Agradeço cada um que me ajudou. Não imaginei que iam tirar dinheiro do bolso para me dar”, disse Jonathan ao MGTV.

Leia também: Vendedora ambulante escreve relato poderoso a pessoas que a olham com nojo por trabalhar na rua

“A mercadoria que os fiscais levaram a população me repôs financeiramente e ainda sobrou um trocado para comprar um chinelinho”, acrescentou.

Alvará para trabalhar

A IPDSA informou que não há impedimento para o comércio ambulante na cidade, mas que é preciso ter um alvará da Prefeitura:

“A legislação do município de Araxá permite o comércio ambulante, desde que o ambulante tenha o alvará da Prefeitura, que ele comercialize o produto que consta no alvará e que ele se movimente ou seja, se ele é um ambulante, ele não pode ficar em um ponto fixo, a menos que ele seja protegido por lei, no caso de deficiência física, que permite que ele fique em um ponto fixo”, explicou o superintendente do instituto, Ricardo Manoel.

crédito das imagens: divulgação

PUBLICIDADE ANUNCIE

PUBLICIDADE ANUNCIE

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar