fbpx

Relato de jornalista que salvou senhora ferida no asfalto comove a web

O jornalista Rafael Caliari tomou todos os procedimentos adotados nesse tipo de situação.


o jornalista não saiu de perto da senhora
PUBLICIDADE ANUNCIE

O jornalista Rafael Caliari foi um herói da vida real ao salvar uma senhora ferida, caída sobre uma poça de sangue no asfalto, na última terça-feira (7), no Rio de Janeiro.

O jornalista estava no caminho para o trabalho quando viu a senhora.

Rafael era a pessoa certa para prestar os primeiros socorros até a chegada de uma ambulância. Na infância, ele fez parte de um grupo de escoteiros, onde aprendeu a importância de ajudar ao próximo em qualquer situação. Aos 14 anos, Rafael concluiu o curso de situações de calamidade da Defesa Civil do Estado do Rio de Janeiro e, aos 16, já tinha cursos de primeiros socorros e salvamento do SAMU.

O jornalista tomou todos os procedimentos adotados nesse tipo de situação. Deitou-se ao lado da senhora para checar seus sinais vitais e delegou funções para os curiosos que se aproximavam: desviar o trânsito, abanar a senhora e ligar para os bombeiros.

“Evitei que qualquer um movesse a senhora, já que ela relatava dores na cabeça e na região do pescoço (possível trauma cervical). O sangue do supercílio rapidamente coagulou colado ao asfalto. Por sorte fazia sombra, mas se ela se movesse, poderia abrir o corte e perder mais sangue”, disse ele.

Rafael notou que a senhora estava lúcida. Ela provavelmente havia desmaiado por conta do calor e da má alimentação pela manhã. “Havia um corte profundo no supercílio direito (área extremamente vascularizada e que causa muito sangramento até em cortes superficiais) e inchaço abaixo do olho, mostrando algum tipo de sangramento interno ocular”, explicou.

A Guarda Municipal chegou ao local do acidente e Rafael relatou todas as informações que havia coletado. “Eles rapidamente perceberam que eu estava prestando corretamente os primeiros socorros e trabalharam em auxílio para isolar a área com cones, guardas e viaturas que estavam disponíveis, afinal, já havia um atendimento em andamento e a senhora estava com quadro estável.”

PUBLICIDADE ANUNCIE

Após 40 minutos, apareceu uma viatura da Polícia Militar. Os dois policiais, um deles portando fuzil, afirmaram que o SAMU demoraria a chegar e que era para Rafael se afastar para que a senhora fosse removida para dentro da viatura. Rafael respondeu que ninguém tiraria a senhora dali sem uma maca, um colar cervical e uma viatura adequada!

O SAMU chegaria uma hora depois. A essa altura, a dona Maria Hilda fazia piadas sobre os policiais que queriam levá-la para dentro da viatura. A Guarda Municipal passou os dados dela para os bombeiros e só então Rafael se despediu da senhora. Ele prometeu visitá-la para tomar um café e ver se estava tudo bem.

Rafael escreveu um post contando o caso em seu perfil no Facebook. A publicação alcançou mais de 34 mil reações e mais de 11 mil compartilhamentos. O jornalista recebeu centenas de elogios: “Pessoas assim merece uma medalha de verdade. Não esses velhos de hoje que qualquer besteira quer alguma premiação, faça sempre por merecer e sempre sem nada em troca, e a maior honra que eu alguém pode ter, parabéns Rafael tenha certeza que essa senhora tem você como herói dela”, disse uma internauta.

Veja o post:

Leia também:

Neto pede para dar banho no avô e restaura nossa fé na humanidade

Cada parte desse vilarejo na Polônia é pintado com flores de todas as cores

Neta conta para a avó que é bissexual e olha só a reação dela

PUBLICIDADE ANUNCIE

PUBLICIDADE ANUNCIE

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar