fbpx

Nessa aldeia todos falam língua de sinais para que pessoas surdas não sejam excluídas


língua de sinais
PUBLICIDADE ANUNCIE

Na remota aldeia de Bengkala, em Bali, cada um dos 3 mil habitantes consegue se comunicar fluentemente em kata kolok, uma língua de sinais, e as pessoas com deficiências de fala e audição são sempre tratadas com respeito.

O fato de tantas pessoas se importarem em aprender a língua de sinais pode parecer estranho, mas há uma boa razão por trás da tradição única – o número de pessoas com a audição e fala prejudicadas em Bengkala é 15 vezes maior que a média mundial e acredita-se que tenha sido ainda maior no passado.

Com o tempo, a linguagem corporal exerceu um domínio maior sobre as palavras, e os moradores desenvolveram sua própria linguagem de sinais única, que vem sendo repassada há séculos.

A alta incidência de surdez é aparentemente causada pelo gene  DFNB3, presente na aldeia há mais de sete gerações. Os pais com audição normal podem ter uma criança surda, e os pais surdos têm filhos que podem ouvir perfeitamente bem. De qualquer forma, parece não fazer diferença para os moradores, pois há muito tempo aprenderam a tratar todos da mesma maneira, sem qualquer tipo de discriminação.

PUBLICIDADE ANUNCIE

Alguns na aldeia balinesa nem percebem a surdez como uma anormalidade, mas como um presente de Dewa Kolok, o deus dos surdos. Acredita-se que ele reside em um cemitério local, vigiando e protegendo seu povo. No entanto, de acordo com outra lenda local, a surdez é uma maldição.

“A famosa história é que duas pessoas com poderes mágicos lutaram entre si e depois se amaldiçoaram para serem surdas”, disse Ida Mardana, prefeita da vila de Bengkala. “O significado de Bengkala é ‘um lugar para alguém se esconder’”.

Hoje, 42 kolok (aldeões surdos e mudos) formam uma comunidade na aldeia, liderada por Nyoman Santiya. Em vez de serem discriminados, são considerados fisicamente mais fortes, resistentes, mais leais e honestos.

Suas qualidades são tão reconhecidas em Bali que as pessoas das comunidades vizinhas frequentemente procuram abrigo e proteção em tempos difíceis. Eles também são recrutados como “hansip” (guardas civis) e “pecalang” (guardas de segurança tradicionais balineses).

Segundo um oficial da aldeia, os guardas kolok são mais disciplinados e eficientes que os outros guardas.  Ele acrescentou que os koloks podem ficar bastante agressivos se testemunharem algo injusto. “Se alguém trapaceia durante uma briga de galo, o kolok não hesitará em acertá-lo. Se o kolok pegar um ladrão, eles o surraram mal, porque eles não ouvem seus gritos. ”

O povo de Bengkala todos se certificam de ensinar seus filhos kata kolok como uma segunda ou terceira língua, então a tradição nunca morre.

Ao longo dos anos, Bengkala viu uma série de visitantes internacionais – sociólogos e até mesmo turistas surdos, que vêm estudar ou simplesmente testemunhar a sociedade única.

Via

Foto da capa: Matt Alesevich

Demais fotos: reprodução

PUBLICIDADE ANUNCIE

PUBLICIDADE ANUNCIE

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar