Conheça a história do caminhoneiro crossdresser que viaja o Brasil de salto alto

A motorista Afrodite, de 68 anos, nasceu Heraldo Araújo, nome que consta em todos os seus documentos, pelo menos por enquanto.


shares Compartilhar Tweet WhatsApp

A motorista Afrodite, de 68 anos, nasceu Heraldo Araújo, nome que consta em todos os seus documentos, pelo menos por enquanto. Em meados do ano passado, ela decidiu se assumir como crossdresser – homem que utiliza roupas e acessórios considerados femininos.

Afrodite se considera heterossexual e parou de se relacionar com mulheres há alguns anos. O preconceito dentro da própria família foi o maior obstáculo para ela ter vida que sonha desde quando experimentou roupas de mulher aos 13 anos.

A relação com os irmãos – com quem chegou a formar sociedade em uma empresa eletrotécnica – era boa, mas só até Afrodite começar a usar roupas femininas. Eles diziam que ela estava ficando louca e, inclusive, a proibiram de atender clientes.

Diante das ameaças de agressão, Afrodite registrou um boletim de ocorrência, que culminou em um processo contra os dois irmãos por injúria e difamação. Por outro lado, ela recebeu apoio dos sobrinhos e do pai, que não fez nenhum tipo de comentário quando viu a filha vestida de mulher pela primeira vez.

Outro apoio importante veio da filha, Tatiana Rodrigues, de 42 anos. A dona de casa também não julgou o pai quando o viu pela primeira vez como Afrodite. Seu único conselho foi que Afrodite não pintasse as unhas com cores fortes quando estivesse trabalhando, pois teme que o pai sofra algum tipo de violência.

Apesar dos riscos, Afrodite não se arrepende de ter se assumido crossdresser. Mas, essa é apenas uma etapa da sua transição. Para se sentir completamente livre, ela pretende fazer a cirurgia de mudança de sexo ainda este ano, para chegar o mais próximo possível de uma mulher, quem ela verdadeiramente é.

Mas, antes, ela terá que fazer acompanhamento terapêutico, para que possa receber um lado psicológico/psiquiátrico favorável e o diagnóstico de transexualidade. Enquanto esse dia não chega, ela entrou com uma ação na Justiça para que o nome Afrodite passe a constar em seus documentos.

Leia a história completa de Afrodite na BBC Brasil.

foto: Alair Ribeiro/BBC Brasil


Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar