Brasileiros desenvolvem método de baixo custo para detectar doenças como o câncer


método de baixo custo
92 shares Compartilhar Tweet WhatsApp

A ciência tem se mostrado como um dos pontos promissores do Brasil, mesmo que tenha pouquíssimos recursos. Em uma publicação gringa, um grupo de brasileiros explica seu método de baixo custo para detectar doenças como o câncer.

A técnica, chamada de Biosusceptometria de Corrente Alternada (BAC), é usada para monitorar, em tempo real, o acúmulo de nanopartículas magnéticas acumuladas em órgãos como os rins e o fígado, ajudando a diagnosticar males precocemente e, assim, aumentar as chances de tratamento.

Por enquanto, o BAC está sendo testado em modelos animais. O grupo da Unesp e seus colaboradores colocaram um sensor posicionado na barriga de um rato. Sob anestesia, injetaram em sua veia as nanopartículas, feitas de óxido de ferro com manganês e revestidas com citrato, para então monitorar a atividade presente no fígado do roedor.

O resultado é semelhante a uma ressonância magnética nuclear, utilizada para detectar tumores, porém de custo bastante inferior. Segundo Caio César Quini, pesquisador do Departamento de Física e Biofísica do Instituto de Biociências (IBB) da Universidade Estadual Paulista (Unesp) e autor principal da pesquisa científica, com R$ 5 mil é possível fazer um equipamento de BAC, que é portátil e dispensa a radicação ionizante.

Vale na sua vida

As nanopartículas magnéticas são pequenas no tamanho, porém grandes aliadas da medicina, empregadas para aplicação de fármacos controlados no organismo, em procedimentos terapêuticos, em contrastes radiológicos, entre outros. Este material é feito com o manganês, o quarto material mais utilizado do mundo! A Vale é a maior produtora de manganês no Brasil.

Leia também: Senhorinha de 91 anos emociona ao narrar como conheceu o amor de sua vida no trem

[Nota da Redação]

Essa matéria faz parte de um canal especial mostrando o outro lado de histórias que não imaginávamos, para ver todas as matérias do canal acesse aqui.

Crédito de capa: Divulgação



Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar
Escolher um formato
História
Lista