Mesmo depois de se aposentar, médico visita paciente em coma há 17 anos no ES

Uma relação de carinho e cuidado que já dura 17 anos.


médico visita paciente coma
3397 shares Compartilhar Tweet WhatsApp

O médico Potratz se aposentou, mas não rompeu a relação de carinho e cuidado com a paciente ‘Clarinha’, internada em coma há 17 anos no Hospital da Polícia Militar (HPM), em Vitória, no Espírito Santo.

Potratz, que também carrega a patente de coronel, continua visitando Clarinha, pois ainda não perdeu a esperança de localizar algum parente dela. A paciente foi atropelada no dia 12 de junho de 2000, no centro de Vitória. Sem identificação, ela foi socorrida e levada para o hospital.

Leia também: “Ela me curou”, diz médico após consulta de idosa com câncer

Segundo informações da TV Gazeta, Clarinha continua em um quarto do HPM, onde recebe cuidados dos profissionais do hospital e atenção do coronel Potratz – médico responsável pelo seu atendimento desde que ela chegou no hospital.

“Depois de tantos anos me dedicando a cuidar dela, mesmo como médico, a gente acaba criando um laço de afetividade. E essa história me marcou muito, pelos aprendizados que eu tive durante essa jornada, e pela situação da própria Clarinha, que ainda está indefinida. Ainda não achamos a família dela, mas continuamos com esperança”, disse Potratz ao G1.

Leia também: Médico ‘opera’ bicho de pelúcia para menino não se sentir sozinho em cirurgia

Nas visitas, ele sempre traz algo novo para Clarinha. As enfermeiras costumam avisar quando ela precisa de algo. “Eu estava até explicando para ele que às vezes ela tem febre, porque sente a falta dele, porque toda manhã era ‘bom dia, Clarinha’”, explicou a enfermeira Neide Lopes.

O médico disse que só vai parar as visitas quando encontrar os familiares da paciente. Mesmo assim, ele não vai se afastar completamente. “Com certeza vou manter um elo com essa família que por ventura a gente possa identificar ajudando, mesmo que seja à distância, mas continuar participando da vida dela, até como médico, poder visitá-la e ter uma interação já que a gente criou um vínculo de afetividade muito grande”, finaliza.

Leia a matéria completa aqui.

Crédito de capa: Reprodução/TV Gazeta 


Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar
Escolher um formato
História
Lista