fbpx

Brasileiro ajudou a retirar água da caverna onde estavam presos meninos na Tailândia

O brasileiro Gui Brotto participou do plano para diminuir a quantidade de água na caverna de Tham Luang.


brasileiro ajudou retirar água caverna tailândia

O brasileiro Gui Brotto, 31 anos, participou do plano para diminuir a quantidade de água na caverna de Tham Luang, onde estavam presos os 12 garotos e o técnico do time de futebol.

O curitibano vive há 1 ano e meio na Tailândia, na província de Chiang Mai. Brotto viajou cerca de 7 horas para chegar ao complexo de cavernas para se juntar à missão.

Ele é um estudioso e praticante da permacultura, sistema agrícola que recria padrões de ecossistemas naturais. Os militares que governam a Tailândia achavam que o conhecimento do brasileiro poderia ser usado para resgatar os garotos e o técnico de futebol.

brasileiro ajudou retirar água caverna tailândia
O curitibano Gui Brotto mora na Tailândia há 1 ano e meio

Leia também: Após salvar os garotos e o técnico na Tailândia, médico chora a morte de seu pai

Em entrevista para o R7, ele explicou o plano traçado: “O que aconteceu em Tham Luang é que a montanha nas proximidades da caverna estava captando o excesso das chuvas e existia uma preocupação de que o nível da água subisse muito rápido. Eu ajudei em um plano de contenção para que o nível da água diminuísse”.

brasileiro ajudou retirar água caverna tailândia
O brasileiro Gui Brotto ajudou a retirar água da caverna onde estavam presos meninos e o técnico de futebol

O brasileiro conta que o mais emocionante de fazer parte da operação foi testemunhar a união de todos os envolvidos. “Estavam todos os militares, socorristas, mergulhadores e voluntários discutindo pontos de vista diferentes e trabalhando junto”, afirmou.

“O objetivo era identificar a capacidade e habilidade de cada um para montar um time onde todos pudessem jogar e ganhar.”

Outro ponto que chamou a atenção do brasileiro foi o respeito das equipes de resgate pela religiosidade local. Ele falou inclusive da relação forte dos tailandeses com a caverna de Tham Luang.

Leia também: Professor universitário larga tudo para trabalhar com bioconstrução

“Os tailandeses são muito ligados à espiritualidade e esse sentimento do dia a dia se intensificou durante as operações. Existe, por exemplo, uma relação forte com a caverna. Eles encaram a abertura de Tham Luang como o ventre de uma mulher e pensavam nos adolescentes como se estivessem dentro da barriga da mãe. Todos foram muito respeitosos com isso”, lembra Broto.

O resgate terminou por volta das 18h50 no horário local (8h50, no horário de Brasília) de terça-feira, após o último menino e o técnico de futebol serem retirados da caverna com segurança.

crédito das fotos: Gui Brotto/Arquivo Pessoal


Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar