Conheça o projeto do tatuador que refaz as tatuagens das detentas, ressignificando suas vidas


310 shares Compartilhar Tweet WhatsApp

Se a reintegração na sociedade e no mercado de trabalho, de uma pessoa que passou por uma situação de encarceramento, já é complicada por si só, imagina então quando ela tem tatuagens que não gosta? Pensando nisso, o tatuador curitibano Matheus Sari, desde janeiro desenvolve um trabalho maravilhoso, que consiste em refazer as tatuagens que não agradam mais as detentas em regime semiaberto.

Essas tatuagens, muitas vezes são feitas em condições precárias, trazendo para essas mulheres, não somente um perigo de contaminação, como más lembranças, já que elas fazem muito mais para se sentirem inseridas na situação prisional, do que por vontade própria. Matheus afirma que, enquanto os homens que saem da prisão costumam fazer um trabalho mais braçal que não exige tanta confiabilidade, na situação das mulheres isso é completamente diferente e, muitas vezes, elas não conseguem arrumar emprego por causa das tatuagens.

Seu trabalho é fundamental para que essas mulheres se sintam mais confiantes na busca por um emprego e foi inspirado no projeto polonês Freedom Tattoos. Ele diz que fazia tempo que queria fazer um trabalho voluntário e como não encontrou exatamente o que gostaria de fazer, resolveu criar!

O processo é bastante simples: basta que as mulheres que estão em regime semiaberto, conversem com Ananda Chalegre, diretora do Escritório Social do Paraná, segundo órgão de apoio aos egressos do sistema prisional implementado no Brasil e marque horário!

 

Fotos: Jennyfer Loefch / Gazeta do Povo


Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar
Escolher um formato
História
Lista