fbpx

Ela desenvolveu um jeito próprio de tocar violino por causa de doença rara e encanta com uma sonoridade única

As limitações de Gaelynn Lea não definem quem ela é nem a impedem de tocar violino.


ela desenvolveu jeito próprio tocar violino doença rara
PUBLICIDADE ANUNCIE

As limitações de Gaelynn Lea não definem quem ela é nem a impedem de tocar violino. Ela nasceu e vive em Suluth, cidade no estado americano de Minnesota, onde também nasceu e cresceu Bob Dylan.

Lea tem Osteogénese, uma doença óssea rara e agressiva, que a deixou presa em uma cadeira de rodas. Mas sua criatividade, imaginação e musicalidade eram tão livres, que, aos 10 anos, começou a estudar violino. As informações são do Hypeness.

Para tocar o instrumento, Lea precisou desenvolver uma técnica especial: posicionando o violino à sua frente, e não em seu ombro. “Minha deficiência e minha música não são a mesma coisa. Eu não penso sobre minha deficiência quando estou tocando. Eu me sinto como eu mesma”, declarou Lea.

ela desenvolveu jeito próprio tocar violino doença rara

A violinista é praticamente uma orquestra de violinos de uma pessoa só. Ela tem um pedal de loop que lhe permite tocar sozinha, gravar o que acabou de tocar, reproduzir e tocar por cima acompanhando a si mesma. Tocando o pedal com o joelho, de um jeito só dela, Lea produz uma sonoridade própria.

ela desenvolveu jeito próprio tocar violino doença rara

PUBLICIDADE ANUNCIE

Essa sonoridade e seu espírito de superação chamaram a atenção do músico Chris Funk, da banda The Decemberists. Ele viaja pelo mundo atrás de pessoas com grande talento para a música. Ao saber da história de Lea, Chris teve certeza que precisava conhecê-la, para inclusive ter a oportunidade de tocar com ela.

ela desenvolveu jeito próprio tocar violino doença rara

“É incrível desenvolver uma voz e uma forma de expressão únicas. Limpa minha mente e eleva meu espírito como nada mais é capaz.”

ela desenvolveu jeito próprio tocar violino doença rara

Como coloca em suas palavras, fazer música para Lea é como meditar, e com isso ela também transforma a arte em algo mais inclusivo, transbordando uma emoção que nenhuma limitação jamais será tão forte quanto.

Veja Lea tocando com o músico Chris Funk:

Leia também: Professor usa a criatividade para aluna com deficiência dançar na apresentação da escola

crédito das imagens: Reprodução/YouTube Great Big Story

PUBLICIDADE ANUNCIE


Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar