Fábrica da Jeep em Pernambuco com 95% de funcionários nordestinos muda milhares de vidas

O polo tem 13.600 empregados, que trabalham divididos em três turnos.


Fábrica Jeep Pernambuco

Semana passada, visitamos o Polo Automotivo da Jeep, que fica em Goiana, no litoral de Pernambuco, e tivemos a oportunidade de conhecer as instalações da fábrica mais moderna do grupo FCA (empresa constituída a partir da fusão global entre a Fiat e a Chrysler), ocupando uma área total de  inacreditáveis 11 milhões de m2, sendo 530 mil m2 de área construída. Porém, mais do que conhecer esse colosso, fomos lá para saber das pessoas como a vida delas mudou depois da chegada da indústria.

O polo tem 13.600 empregados, que trabalham divididos em três turnos. E o mais importante: cerca de 95% são nordestinos, sendo 87% pernambucanos. Um desses pernambucanos é o Reginaldo, 33 anos, que há três anos trabalha na fábrica e que, antes de entrar na Jeep, cortava cana exatamente na mesma área onde agora é o polo automotivo.

De fala baixa e muito tímido, o ex-catador de cana disse que ninguém nunca imaginou que uma empresa tão grande fosse se instalar no local onde ele morava: “quando vi no jornal, achei que era mentira”, disse. Reginaldo também trabalhava com reciclagem, pois a colheita da cana acontece apenas durante alguns meses do ano, o restante do tempo ele tinha que procurar outra forma de levar dinheiro pra casa: “Não é brincadeira não, o bicho pegou antes de chegar até aqui”, conta ele com muito orgulho do que já conquistou.

Reginaldo Funcionário da Fábrica da Jeep Pernambuco
Reginaldo (de uniforme claro) contando sua história de vida pra gente.

Segundo ele, estava puxando sua carroça de recicláveis quando viu uma fila imensa de pessoas na fábrica para deixar os currículos, e foi rapidamente em casa, deixou a carroça e foi pedalando debaixo de um sol bastante forte levar seu currículo também. E para sua surpresa, na primeira chamada já o convocaram para uma entrevista “oxente, como é isso? rápido assim?”. E depois já foi para as outras etapas, e finalmente selecionado.

Perguntei o que significa ter um trabalho formalizado, com convênio para a família dele, com relação à perspectiva de futuro, ele rapidamente responde: “Significa mudança de vida, não só pra mim, mas pra muita gente, é mais de 10 mil pessoas trabalhando aqui”.

Pierluigi Astorino, gerente da planta, conta que a forma de contratação dos funcionários foi bem atípica, onde eles saíram em carros de som perguntando quem queria trabalhar na indústria, e então vieram um grande número de pessoas que sequer haviam entrado em um chão de fábrica, muitos deles eram pescadores, catadores de carangueijo, cortadores de cana (como o próprio Reginaldo), priorizando a população local.

O ex-catador de cana, que hoje trabalha na área de montagem de chassi dos carros, disse que depois de um ano de empresa os funcionários podem indicar alguém para trabalhar também na fábrica, “indiquei um amigo meu amigo que tava precisando, tinha três crianças pra dar de comer”, as contratações continuam acontecendo, pois foi criado um terceiro turno, fazendo com que mais oportunidades de trabalho surgissem.

O impacto da presença do Polo Automotivo Jeep em Pernambuco

Fábrica Jeep Pernambuco Goiana
Panorama do polo visto de cima: 13.600 empregados, em três turnos. Cerca de 95% são nordestinos.

A presença do Polo Automotivo Jeep em Pernambuco contribui para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) do Estado. Estudo do Governo do Estado revela que o PIB Pernambucano cresceu 2% em 2017, enquanto a média de outros Estados foi de 1%. O setor industrial deixou a fase recessiva e cresceu 0,9%, puxado pelo setor automotivo, que se expandiu 49,4% em 2017 em relação ao ano anterior.

A educação tem sido o principal foco de investimento social da FCA, que por meio do programa Rota do Saber, promove o fortalecimento da educação pública e gratuita na área de influência do polo, abrangendo seis municípios de Pernambuco e da Paraíba, abrangendo 205 escolas, 967 mil educadores e impactando diretamente 27 mil alunos com a melhoria da qualidade no ensino fundamental público. O Rota do Saber é uma iniciativa da FCA em parceria com a Magneti Marelli, empresa que integra o grupo, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o Instituto Qualidade do Ensino – IQE.

No município de Igarassu, pioneiro no programa, já foi possível perceber uma melhoria de 25% na qualidade do ensino da rede. Os resultados são aferidos através de avaliações semestrais e do acompanhamento do desempenho do município no IDEB – Índice de Desenvolvimento da Educação Básica.

Encontrei um vídeo que conta um pouco do projeto e da mudança significativa que tem feito na vida de tanta gente:

Uma outra pessoa que tem uma história incrível é o Adriano Damásio, que antes catava carangueijo e estava há cinco meses desempregado, que usou suas moedas que tinha em casa para imprimir o currículo e levar para a seleção de trabalho na fábrica. Ele conta que o dinheiro era pra comprar pão, mas que no caminho encontrou um amigo que estava indo tentar emprego no polo, e resolveu ir também, do jeito que estava: de bermuda e chinelo.  Atualmente ele é Líder de Produção e cuida da parte da finalização dos carros fabricados, veja a história dele:

Eu como nordestino, e que migrei com minha família para tentar uma vida melhor, fico muito feliz de ver iniciativas como essa chegando ao Nordeste, potencializando empregos e fazendo com que as pessoas não precisem sair do local onde nasceram para poder ter a esperança de uma vida melhor, pelo que vi na visita que fiz e com as pessoas que conversei, essa esperança é real.

Quantas mais histórias do Reginaldo não temos para conhecer? 😉 Eu adorei saber, e vocês?

Na próxima matéria, vou mostrar um pouco mais da fábrica da Jeep, que é referência em sustentabilidade no mundo e vocês vão poder conhecer um pouco mais de tudo que é feito até o carro ficar prontinho e rodando nas ruas.

Crédito das imagens: Victor Pessoa / Divulgação


Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar