fbpx

Mãe de advogado assassinado começa curso de direito aos 60 anos

Luzia seguirá os passos do filho, que aprendeu valores como honestidade e integridade com a mãe.


curso de direito mãe

Quase um ano depois da morte de seu filho, Luzia Sandes de Brito, mãe de Danilo Sandes, assassinado, em Araguaína (TO), por não participar de uma fraude que beneficiaria um cliente, ingressou no curso de direito – ela está no primeiro período.

Luzia seguirá os passos do filho, que aprendeu valores como honestidade e integridade com a mãe. Além de ingressar no curso de direito, ela manterá o escritório do filho funcionando. “Quando ele morreu eu comecei a pensar ‘e agora o que vai ser da minha vida?’ Ele estava ampliando este escritório, cheio de sonhos”, disse ela, em entrevista para o T1 Notícias.

RELACIONADO: Idosa de 80 anos realiza o sonho de ler e escrever em Goiás

Danilo estava com tudo pronto para inaugurar um escritório em Araguaína, um em Palmas e outro em Novo Repartimento (PA). Porém, seus sonhos e projetos não ficarão no papel, pelo contrário, garante Luzia, para quem o filho era um “amigo”, com quem fazia tudo junto.

mae-advogado-assassinado-curso-de-direito
Luzia levará adiante os sonhos e projetos do filho assassinado

“Então, eu tive a ideia de manter o escritório, dar continuidade aos sonhos e projetos de Danilo. Um deles era de trabalhar com advogados recém-formados, porque quando ele terminou a faculdade, encontrou quem lhe desse essa oportunidade.”

“Eu e Danilo éramos muito parceiros, ele morava comigo. Era mais que mãe e filho, éramos amigos, não fazíamos um negócio sem um combinar com o outro, saíamos para o trabalho juntos, voltávamos juntos, um contava com o outro em tudo”, relembra Luzia.

Na faculdade, a aluna de 60 anos de idade é tratada como todos os colegas de turma, que certamente admiram a guerreira que ela é. “Estou em uma sala com jovens, mas fui muito bem acolhida, me tratam muito bem, me tratam de igual para igual e isso me deixa muito tranquila”, afirma a futura advogada. “Os professores também me tratam muito bem, me veem como as outras acadêmicas e isso é muito bom.”

Com olhos lacrimejados e mirando para o céu, como quem procura pelo filho, Luzia deixa uma lição para todos nós:

Um sonho que se sonha junto – ainda mais entre mãe e filho – é forte como uma rocha, indestrutível!

Foto: Reprodução/Ascom Araguaína – T1 Notícias


Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar