fbpx

Mãe prova que médico errou no diagnóstico do filho

Devido à falta de oxigenação no cérebro na hora do parto, o médico disse que o filho de Francisca não teria mais do que uma semana de vida.


mãe-filho-paralisia-cerebral

Deve ser devastador ouvir de um médico que seu filho não teria mais do que uma semana de vida. Ainda mais para uma mãe que acabou de dar à luz. Só sendo mesmo uma pessoa forte para buscar alternativas de tratamento e dar um nó nesse diagnóstico.

A dona Francisca é uma dessas mães, que não desistem nunca da cria. Francisca morava em Fortaleza, quando foi mãe de Antônio. Devido à falta de oxigenação no cérebro durante o parto, Antônio tem paralisia cerebral.

Ele não teria mais do que uma semana de vida, disse o médico à Francisca. Mas, ela deu de ombros para esse pessimismo. Ao saber de um tratamento no Rio de Janeiro, na Associação Pestalozzi de Niterói, ela arrumou as malas e partiu para lá.

25 anos depois, Antônio está vivíssimo! Flamenguista roxo – seu apelido na Pestalozzi é “Jogador” –, já foi a treinos do seu time de coração, às Olimpíadas do Rio e vire e mexe vai ao cinema, festas, entre outros lugares. Francisca conta que os passeios diminuíram por conta do aumento da violência na cidade.

Antônio não fala uma palavra, mas consegue se comunicar do seu jeito. Sorridente toda a vida, ele é um rapaz feliz, apesar de suas limitações – graças à mãe corajosa que tem e, claro, aos profissionais da Pestalozzi, que também não desistiram dele em momento algum.

As fotos abaixo não deixam a gente mentir:

mãe-filho-paralisia-cerebral

mãe-filho-paralisia-cerebral

mãe-filho-paralisia-cerebral

mãe-filho-paralisia-cerebral

mãe-filho-paralisia-cerebral

mãe-filho-paralisia-cerebral

mãe-filho-paralisia-cerebral

mãe-filho-paralisia-cerebral

mãe-filho-paralisia-cerebral

Todas as Fotos: Gentilmente cedidas por ©Wander Rocha


Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar