fbpx

Estudantes criam solução para óleo no mar com casca de coco verde

A solução é mais barata e mais sustentável do que a turfa canadense.


Estudantes solução óleo mar casca coco verde
PUBLICIDADE ANUNCIE

As estudantes Núbia Marques da Silva e Aline Faustino Soares, do curso de Logística da Escola Técnica Estadual (Etec) de Caraguatatuba, no litoral de São Paulo, desenvolveram uma solução que absorve vazamentos de óleo no mar com casca de coco verde.

Tudo começou com um desafio proposto pela professora Patrícia Carbonari Pantojo. Ela estava incomodada com o volume de cascas de coco verde que vão para o lixo todo o ano, especialmente no litoral. Foi então que ela desafiou seus estudantes a criarem soluções para o problema.

Leia também: Obrigado é a primeira empresa de coco no mundo a se tornar B Corp

Núbia e Aline enxergaram na casca de coco uma solução para vazamentos de óleo no mar. Com a proposta em mente, Patrícia levou as estudantes para fazerem uma visita técnica ao Porto de São Sebastião. Lá, elas conheceram a turfa canadense, um pó usado para absorver o óleo que os navios despejam nos oceanos.

“Na hora, eu percebi que aquele produto era muito parecido com a fibra de coco”, contou Núbia ao site do Centro Paula Souza.

O passo seguinte foi conseguir o óleo para fazer os testes. Núbia e Aline despejaram tanto o óleo quanto a borra do petróleo em um tanque com água do mar. O resultado foi que a fibra do coco absorveu tudo.

PUBLICIDADE ANUNCIE

Mas, as estudantes não pararam os testes por aí. Elas acrescentaram penas de aves à fibra e viram que o resultado é ainda melhor – as penas puxam o óleo para a fibra do coco. Para validar o experimento, elas solicitaram a ajuda de um professor de Química, que encaminhou amostras da água para análise da Sabesp. De fato, a água estava limpa, sem qualquer resíduo de óleo.

Depois que a fibra aborve o óleo, forma-se uma biomassa, que pode ser usada como substituta do carvão, por exemplo. “Não adiantaria jogarmos a fibra suja no lixo. Por isso, testamos como usá-la até o fim, sem deixar resíduos”, explica Nubia.

As estudantes patentearam novo produto e agora planejam lançá-lo no mercado. As futuras empreendedoras acreditam que a fibra de coco é uma alternativa mais barata à turfa canadense, além de mais sustentável. A professora Patrícia acredita no sucesso do empreendimento: “É um produto único, uma ideia inovadora, totalmente sustentável”.

Núbia e Aline apresentarão o produto na Feira Tecnológica do Centro Paula Souza, nos dias 19, 20 e 21 de outubro. A fibra de coco é um dos 210 projetos de alunos de Etecs, Faculdades de Tecnologia do Estado (Fatecs), além de outras instituições nacionais e internacionais que serão apresentados.

Serviço:

10ª Feira Tecnológica do Centro Paula Souza

Quando: 19, 20 e 21 de outubro

Local: Pro Magno Centro de Eventos – Rua Samaritá, 230, Casa Verde, São Paulo

Horário: 10h às 21h, nos dias 19 e 20; 10h às 13h, no dia 21

crédito da foto: Pixabay

PUBLICIDADE ANUNCIE

PUBLICIDADE ANUNCIE

Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar