fbpx

Pesquisadores brasileiros desenvolvem plástico orgânico comestível que se decompõe em 3 meses


plástico orgânico

A tecnologia está cada vez nos ajudando a resolver questões relacionadas ao meio ambiente. Depois de duas décadas de pesquisas, pesquisadores da Embrapa Instrumentação, desenvolveram um plástico orgânico e biodegradável, que pode ser usado no preparo de alimentos e é feito a partir dos próprios alimentos, como espinafre, mamão, tomate, goiaba e etc...

E a produção do plástico comestível nem é tão complicada assim, já que primeiro eles transformam os alimentos em uma pasta, em seguida adicionam alguns componentes, colocam tudo em uma forma que depois de passa por uma câmara que emite raios ultravioletas. Em poucos minutos sai a película e está resolvido: temos um plástico comestível!

Leia também: Empresa em NY cria plástico feito a partir de cogumelos

O melhor de tudo é que quando descartado, ele se decompõe em até 3 meses e pode ser usado como adubo ou até mesmo ser lançado na rede de esgoto, sem que cause algum dano à natureza. Neste plástico os alimentos podem ser conservados até o dobro de tempo do convencional e além do mais, não podemos esquecer que o plástico convencional demora até 400 anos para se decompor na natureza.

José Manoel Marconsini é um dos pesquisadores envolvidos no desenvolvimento do plástico e afirma que além dos benefícios para o meio ambiente, esse material resolve mais um problema: o dos alimentos que não possuem um bom aspecto e costumam ser descartados, acarretando em desperdício. Apesar de parecer igual ao plástico do qual estamos acostumados, o plástico orgânico é mais resistente e rígido do que o comum.

Apesar dele ainda não estar sendo comercializado, muitas empresas entraram em contato com a Embrapa para fazer suas encomendas. Incrível, não?

Relacionado: Designers holandeses transformam algas em bioplástico para impressão em 3D

pesquisadores plástico orgânico

Com informações de The Greenest Post

Foto: divulgação


Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar