Como a Inteligência Artificial vai mudar a sua vida


12 shares Compartilhar Tweet WhatsApp

Falar de inteligência artificial está na moda, mas o que pouca gente sabe é que o tema existe há muitos anos para descrever tecnologias que executavam funções inteligentes, até então restritas aos seres humanos.

É muito comum pensarmos em inteligência artificial e logo imaginarmos os robôs inteligentes, capazes de fazer tudo o que um humano faria e, pensando de uma maneira reducionista, com o objetivo de eliminar a raça humana. Por mais interessante e assustadora, que seja essa definição, ela é um pequeno recorte do que a inteligência artificial pode fazer por nós. Ela vai muito além desse pensamento distópico à la Black Mirror de que pode acabar com toda a humanidade. Na verdade, os vários avanços da inteligência artificial, também chamada de AI, envolvem o contrário: nos salvar. Entre os principais campos da AI está o da a medicina, que tem mostrado resultados significativos e próximos de virar realidade.

O Dr. Raimond Winslow, diretor do Johns Hopkins University Institute de Medicina Computacional, fundado em 2005, afirmou para a Digital Trends que “o campo explodiu”. “Há uma nova comunidade de pessoas sendo treinadas em matemática, ciência da computação e engenharia, também sendo treinadas na biologia. Isso permite que eles tragam uma nova perspectiva para o diagnóstico e o tratamento médico”, disse.

Agora, ao invés de analisar complexas questões médicas com o nosso limitado cérebro humano, nós estamos começando a usar máquinas para analisar um grande número de informações, reconhecer padrões e fazer previsões que nenhum médico humano poderia.

Grandes empresas veem o campo da medicina como um potencial para popularizar as suas tecnologias. Além de existirem companhias especializadas apenas em AI e saúde, gigantes da tecnologia também não querem perder tempo nem espaço e pretendem fazer descobertas na área. A IBM decidiu entrar no campo da medicina e desde então, a empresa está trabalhando com a Quest Diagnostics para oferecer o sequenciamento de genes e análise de diagnósticos, tudo com o objetivo de ajudar oncologistas a tratar o câncer. Funcionários da empresa dizem que essa é a comercialização da inteligência artificial na oncologia e que a tecnologia tem potencial para trazer a medicina de precisão disponível para milhões de pacientes com câncer, e não somente para um pequeno número que é tratado em centros médicos especializados.

A Intel também investe nesse mercado. Em maio de 2016, a empresa injetou US$ 10 milhões na Lumiata, uma startup que foca em inteligência artificial na medicina. Na época, Steve Agritelley, diretor da área de saúde na Intel, disse em comunicado: “A Lumiata tem potencial para trazer uma abordagem e gerenciar a análise do tratamento personalizado”, comentou. No Intel Analytics Summer, evento realizado em agosto de 2016, a inteligência artificial foi o tema central. A AI na medicina também foi debatida, com destaque para Penn Medicine, centro médico na Pensilvânia, que está usando a plataforma analítica da Intel em seus diagnósticos. Um estudo focado na sepse, também conhecida como infecção generalizada, mostrou que a ferramenta conseguiu identificar corretamente 85% dos casos, com algumas descobertas feitas até 30 horas antes do fatal choque séptico, comparado a apenas duas horas do método tradicional.

Os exemplos de inteligência artificial na medicina são muitos: o governo americano está trabalhando em parceria com a companhia Berg Health para ajudar no tratamento e na prevenção do câncer de mama. A previsão se deve a entrada da indústria da tecnologia no campo da medicina, com uma busca para eliminar todas as doenças. E a inteligência artificial está no centro disso tudo.

Ela nos ajuda a reconfigurar a aprendizagem, qualificar diferentes áreas do conhecimento e criar algoritmos que, além de inovadores, mudam a nossa vida para melhor.


Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar
Escolher um formato
História
Lista