Uso de drones e inteligência artificial ajudam no avanço das pesquisas sobre a vida animal


34 shares Compartilhar Tweet WhatsApp

Recentemente fizemos um projeto incrível em parceria com a Intel, onde levamos a realidade virtual para uma casa de idosos em São Paulo e com isso conseguimos realizar os sonhos de suas vidas, além de reviver memórias e dar boas risadas.

Relembre os vídeos abaixo:

Recentemente, a empresa anunciou duas bem-sucedidas expedições de pesquisa sobre a vida animal equipadas com as tecnologias de inteligência artificial (AI) e de drones da Intel.

Em duas colaborações – uma com fotógrafo de vida selvagem Ole Jørgen Liodden e outra com a Parley for the Oceans* (que já falamos aqui)-, as inovações da companhia equipam a exploração cientifica para ajudar a entender melhor o mundo que nos cerca de maneira mais segura, eficiente e menos invasiva, permitindo que os pesquisadores possam tomar rápidas decisões baseadas em dados sobre a saúde em longo prazo do nosso meio ambiente e da humanidade. O uso de tecnologias de IA e de drones da Intel oferece aos pesquisadores ferramentas poderosas para informar suas descobertas, dando a eles a habilidade de coletarem e processarem dados críticos de uma forma mais rápida e segura e mais eficiente economicamente.

“A inteligência artificial veio para nos ajudar a resolver alguns de nossos desafios mais assustadores, acelerando a resolução de problemas em grande escala, incluindo novas descobertas científicas”, afirma Naveen Rao, vice-presidente e gerente-geral do Grupo de Produtos de Inteligência Artificial da Intel. “Nos orgulhamos de agregar nossa experiência e tecnologia para esses esforços de pesquisa e por ajudar na missão de compreender melhor a saúde de nosso planeta e, assim, da humanidade”.

Pesquisa com Ursos Polares

Intel e o fotógrafo da vida selvagem Ole Jørgen Liodden exploram os padrões de comportamento dos uros polares do Ártico com ajuda da tecnologia de drones. Crédito: Intel Corporation

Os métodos tradicionais envolvendo helicópteros para a exploração são caros e invasivos.

Pelas traiçoeiras condições climáticas do Ártico, incluindo temperaturas congelantes e ventos fortes, a exploração por barco nessas áreas remotas é desafiadora mesmo para os pesquisadores mais experientes. Além disso, o aço usado na maioria dos barcos pode causar campos magnéticos que tornam extremamente difícil para os drones decolar e pousar em um barco em movimento. O uso de drones é uma alternativa que proporciona maior acesso a pesquisadores e especialistas em vida selvagem.

intel

Trabalhando com o renomado fotógrafo e conservacionista Ole Jørgen Liodden, o sistema Intel® Falcon™ 8+ o está ajudando a rastrear comunidades de ursos polares na região, coletando informações sobre seus padrões de comportamento. Isso proporcionará aos pesquisadores ambientais, de forma precisa e confiável, uma coleta de dados mais segura e eficiente. O acompanhamento dos hábitos de comportamento, criação, alimentação e migração dos ursos polares ajuda os cientistas a compreenderem não só os efeitos das mudanças climáticas no Ártico, mas também a saúde de todo o planeta.

Uma expedição recente descobriu que os ursos polares não mostraram sinais de angústia ou mudanças de comportamento quando o drone Intel Falcon 8+ se aproximou desses animais a distâncias aproximadas de 50 a 100 metros. A útil função térmica de sua câmera facilitou a localização dos ursos. Este progresso no estudo dos ursos polares com o sistema Intel Falcon 8+ cria novas oportunidades de pesquisa, alimentando a exploração científica de maneiras nunca consideradas possíveis.

“Os ursos polares são um símbolo do Ártico”, disse Liodden. “Eles são animais fortes e inteligentes. Se eles entrarem em extinção, haverá desafios para todo o nosso ecossistema. A tecnologia do drone pode nos ajudar a superar esses desafios para entender melhor o nosso mundo e preservar o meio ambiente da Terra”.

Pesquisa com Baleias

A Intel está trabalhando com a Parley for the Oceans para promover a compreensão científica sobre a saúde de nossos oceanos usando a inteligência artificial para analisar a condição das baleias e do meio ambiente. O Projeto Parley SnotBot usa a tecnologia de aprendizagem de máquinas da Intel para ajudar a melhorar a análise de dados, executando algoritmos que podem identificar baleias em particular e avaliar a sua saúde em tempo real, independentemente da presença de fatores complexos como movimentos imprevisíveis ou visibilidade limitada. Por meio desta avançada tecnologia, os pesquisadores podem tomar decisões mais oportunas em campo e entender melhor os ricos dados biológicos que as baleias têm a oferecer, incluindo DNA, estresse, hormônios da gravidez, vírus, bactérias e toxinas. Até agora, o Parley SnotBot já coletou informações sobre baleias azuis, baleias cinzentas, eubalenas jubartes e orcas em oceanos em todo o mundo. A inteligência artificial dá a esses magníficos animais uma voz para compartilhar a saúde de nossos oceanos e do meio ambiente.

“O Parley Snotbot, uma colaboração da Ocean Alliance com a Intel, é uma tecnologia de pesquisa nova e não invasiva que nos permite explorar os oceanos em tempo real com dados e conhecimento de código aberto”, disse Cyrill Gutsch, fundador da Parley for the Oceans. “A nossa visão é a de criar uma rede global de ferramentas de exploração digital que gerem as informações que precisamos a fim de identificar ameaças com nova velocidade e precisão, para que possamos atuar nelas imediatamente”.

Há quase 50 anos, a Intel tem estado por trás de algumas das mais surpreendentes tecnologias e inovações para melhorar o mundo. Trabalhando ao lado de pesquisadores para desenvolver métodos inovadores para coletar, processar e analisar informações sobre o meio ambiente, a Intel está ampliando as capacidades humanas e transformando a maneira com a qual as pessoas se envolvem com o mundo.

Para mais informações sobre a tecnologia da Intel para boas expedições, visite a página da Intel sobre a pesquisa com ursos polares e “Pesquisadores implementam drones de teste para controlar os ursos polares do Ártico” no Intel iQ.

Crédito de fotos: Intel Corporation


Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar
Escolher um formato
História
Lista