Seis invenções que você provavelmente nunca ouviu falar


invenções
86 shares Compartilhar Tweet WhatsApp

Você tem acesso aos lugares mais remotos da internet, pode visitar bibliotecas online e se conectar a mentes brilhantes. Porém, é triste dizer isso, mas você não sabe de tudo. Tanto que vamos lhe mostrar seis invenções que já rolaram em nosso mundo e garantimos que pelo menos uma delas você ainda não conhecia.


Ouça sobre esses projetos incríveis! Clique no play acima!

Você sabia que o bambu pode ser usado para construir recifes de coral artificiais? Que a casca do mangostin pode ser usada para tingir tecido ou que a berinjela pode ser uma fonte de bateria? Que tal ter uma geladeira que não usa eletricidade ou utensílios plásticos feitos de escama de peixe?

E pense nessa pesquisa capaz de transformar a indústria: o processo de dessalinização pode tornar-se mais barato com o aproveitamento da energia solar.

Essas invenções incomuns, porém engenhosas, vieram de estudantes de ensino médio do Sudeste da Ásia, que apresentaram suas pesquisas na Feira Internacional de Ciência e Engenharia da Intel (ISEF). Todos os anos, mais de 1.700 alunos de ensino médio de mais de 70 países e regiões participam da ISEF. É a maior competição internacional de ciência pré-universitária do mundo, com US$ 5 milhões em prêmios.

Esses projetos oferecem soluções para desafios do mundo real encontrados nas comunidades de onde eles vêm. Veja seis trabalhos de pesquisa que impressionaram os juízes nos últimos eventos da ISEF.

  1. Uma geladeira que não usa eletricidade – Indonésia

A equipe construiu uma “Caixa Refrigeradora Verde” que, em vez de trabalhar com eletricidade, utiliza uma bomba a vácuo, operada à mão, feita de garrafas de refrigerante de plástico. A ideia foi concebida porque a cidade natal dos estudantes, na área rural de Sumatra Meridional sofre frequentes apagões, interrompendo constantemente o funcionamento de eletrodomésticos.

Membros do Projeto: Muhtaza Aziziya Syafiq, Anjani Rahma Putri.

  1. Casca do mangostin como material de tintura ecológico – Malásia

Materiais produzidos a partir de resíduos biológicos, tais como a casca do mangostin, podem ser usados como fixadores para tingir tecido de algodão, juntamente com o extrato de casca de cebola. O projeto não apenas substituiu o uso de fixadores químicos perigosos por materiais feitos de resíduos biológicos, mas também ajudou a reciclar os próprios resíduos.

Membros do Projeto: Faye Jong Sow Fei

 

  1. Uso de bambu como recifes de coral artificiais – Filipinas

Os estudantes utilizaram bambu como uma alternativa mais barata e mais viável que o concreto para criar recifes artificiais a fim de impulsionar a vida marinha na comunidade pesqueira da Baía Banate. Os estudantes consideraram que o projeto seria a solução para a pesca predatória no local. Quando os moradores tomaram conhecimento do impacto positivo do projeto, eles declararam o local do projeto como área marinha protegida.

Membros do Projeto: Julian Paolo (JP) Biyo, Hazel Hernandez, Paul Flores

 

  1. Construindo baterias com berinjelas – Cingapura

Um novo eletrocatalisador feito de berinjela pode ser usado como bateria para alimentar veículos híbridos. O projeto já apresentou desempenho melhor que os catalisadores comerciais em testes de estabilidade e longevidade. Ele também comprovou que o processo é ecológico e sua produção tem baixo custo. O resultado foi que as baterias recarregáveis de zinco-ar ficaram mais seguras, leves e com mais densidade energética que as baterias de íons de lítio.

Membros do Projeto: Shannon Xinjing Lee

  1. Substituindo plásticos por escamas de peixe – Tailândia

A equipe apresentou sua pesquisa sobre o uso de escamas de peixe para criar itens de plástico como tigelas e pratos, sem o menor vestígio de cheiro de peixe. A equipe constatou também que o material desintegra-se totalmente em cerca de 28 dias quando enterrado no solo, e que não prejudica as criaturas que vivem na terra. Em contrapartida, os produtos de plástico convencional liberam toxinas durante o processo de fabricação e durante o descarte.

Membros do Projeto: Pornwasu Pongtheerawan, Tanpitcha Phongchaipaiboon, Arada Sungkanit

  1. Um processo de dessalinização mais barato e sustentável – Vietnã

Um grupo propôs usar energia solar e técnicas a vácuo para alimentar o processo de dessalinização. Os métodos convencionais de dessalinização são dispendiosos, pois tendem a consumir grandes quantidades de eletricidade e combustível. Por outro lado, a energia solar é uma fonte de energia inesgotável e renovável.

Membros do Projeto: Trung Bach Tran, Vinh Anh Vu, Trang Thi Quynh Bui

 


Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar
Escolher um formato
História
Lista