fbpx

Adolescente defende mulher de assédio em ônibus com atitude corajosa

A adolescente expulsou o agressor do coletivo.


Adolescente defende mulher assédio ônibus atitude corajosa
PUBLICIDADE ANUNCIE

Cada vez mais ouvimos falar de casos de assédio sexual no transporte coletivo. Temos a impressão de que os números aumentaram de alguns anos para cá, mas é preferível acreditar que houve um aumento do número de denúncias.

Não só as vítimas, como também as pessoas que presenciam a violência estão expondo e denunciando os agressores. E pessoas de todas as idades, inclusive uma adolescente de 14 anos.

A estudante Anna Bernardo confrontou um homem que estava se aproveitando de uma mulher dentro de um ônibus, no Rio de Janeiro. Uma filmagem mostra a tentativa frustrada do rapaz de assediar a passageira.

Anna disse ao BuzzFeed News que alertou o motorista do coletivo, que não fez nada sobre o ocorrido. O assediador estava sentado na frente dela e, com a tela do celular apagada, tentou ver quem estava atrás dele observando seus movimentos.

“Daí ele foi pra frente e eu fui lá gritar com ele. E foi nessa hora que minha amiga começou a gravar”, lembra Anna.

Adolescente defende mulher assédio ônibus atitude corajosa Adolescente defende mulher assédio ônibus atitude corajosa

PUBLICIDADE ANUNCIE

A adolescente acabou expulsando o agressor do ônibus. Só depois do ocorrido ela refletiu sobre os riscos que correu. Ela acredita que a mulher tenha prestado queixa, mas não tem certeza.

Veja o vídeo:

Adesivos para mulheres descerem fora do ponto

Há alguns dias falamos de uma determinação da SPTrans que obriga as empresas de ônibus de São Paulo a colocarem adesivos nos veículos indicando que a mulher pode escolher o local mais seguro para descer à noite.

Foi durante o dia que Anna expulsou o agressor do coletivo. Isso mostra que o agressor não tem hora certa para agir.

A determinação da SPTrans é uma conquista de grupos feministas e conscientiza as passageiras sobre uma lei que existe em São Paulo desde 2016. Mas, enquanto o assédio persistir, a mulher deve ter o direito assegurado de desembarcar a qualquer hora do dia quando sentir que está sendo violentada.

O Rio de Janeiro e as outras cidades também deveriam ter uma lei que garantisse esse direito, mas não apenas após as 22h, como acontece na capital paulista. Anna não teria corrido o risco de ser agredida pelo homem que assediou a mulher, concorda?

crédito das imagens: Reprodução/Twitter @jana17521552

PUBLICIDADE ANUNCIE

PUBLICIDADE ANUNCIE

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar