Após veto do Uber a bairros de SP, moradores da periferia criam a Ubra

"A demanda está muito grande e a gente já está perdendo corrida"


ubra
322 shares Compartilhar

Soluções e inovações acontecem o tempo inteiro, e moradores da periferia criaram mais uma: Ubra.

As ruas estreitas, ladeiras e vias de terra da Brasilândia, bairro da zona norte de São Paulo, limitam a chegada do carro Uber na região.  Problema que outros bairros e favelas da capital paulista, como Paraisópolis e Heliópolis, também enfrentam, depois que a empresa limitou o acesso de veículos a diversas regiões da cidade.

Diante da falta do serviço na região, dois moradores decidiram criar uma alternativa, mais simples e que atende às necessidades da comunidade, chamada Ubra (União da Brasilândia). Uma pequena sala, dividida por madeirite, acomoda o escritório da empresa, que tem duas cadeiras, mesa e um sofá.

Chamas para o Ubra são feitas via WhatsApp

Criada há pouco mais de 20 dias pelo tatuador Emerson Lima, de 40 anos, e o motorista Alvimar da Silva, de 48, a empresa possui seis motoristas. As chamadas são feitas via WhatsApp ou por um telefone fixo. “A demanda está muito grande e a gente já está perdendo corrida. A área tem uma carência grave de transporte, principalmente à noite”, contou Emerson em entrevista ao site da BBC Brasil.

Ubra surgiu para atender demanda da periferia
FELIPE SOUZA/BBC BRASIL

Segundo a reportagem, a prefeitura informou que tem conhecimento do serviço oferecido na Brasilândia e disse, por meio de nota, que seu “interesse em aumentar o número de empresas que operam na cidade, sobretudo em locais onde o sistema viário ainda é pouco aproveitado pelo transporte individual de passageiros”.

Porém, destacou que pelo fato de não estar credenciada no Conselho Municipal de Uso Viário (CMUV), a Ubra não pode transportar passageiros. A prefeitura disse também que a “empresa e os motoristas estarão sujeitos à fiscalização e às sanções cabíveis que incluem apreensão dos veículos e multa”.

Ubra na periferia
ARQUIVO PESSOAL

Atualmente, a Ulbra atende algo em torno de 40 clientes, que usam o serviço para fazer compras, ir a consultas médicas ou mesmo para curtir a noite paulistana. Os preços cobrados são semelhantes ao da concorrência: cada quilômetro rodado custa R$ 2 contra cerca de R$ 1,80 do Uber. A empresa aceita dinheiro e cartões de crédito e débito. O preço é calculado pela distância medida no Google Maps. Leia a matéria completa aqui.


Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar
Escolher um formato
História
Lista