Abaixo-assinado “Vai ter shortinho sim” recebe apoio de meninos usando shortinhos [UPDATE]

O abaixo-assinado Vai ter shortinho sim criado por alunas do ensino fundamental e médio do Colégio Anchieta, um dos mais antigos de Porto Alegre (RS), é para que a instituição “deixe no passado a mentalidade de que cabe às mulheres a prevenção de assédios, abusos e estupros”.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Com idades entre 13 e 17 anos, as meninas exigem que as regras de vestuário do colégio sejam alteradas. A carta questiona a ideia de que a aprendizagem dos meninos é comprometida quando a aula é interrompida por causa do tamanho da roupa de uma menina.

“Ao invés de humilhar meninas pelos seus corpos, ensinem os meninos que elas não são objetos sexuais“, diz o manifesto.

A meta do abaixo-assinado é chegar a 25 mil assinaturas.

Leia o texto na íntegra:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Nós, alunas do ensino fundamental e médio do Colégio Anchieta de Porto Alegre, fazemos uma exigência urgente à direção. Exigimos que a instituição deixe no passado o machismo, a objetificação e sexualização dos corpos das alunas; exigimos que deixe no passado a mentalidade de que cabe às mulheres a prevenção de assédios, abusos e estupros; exigimos que, ao invés de ditar o que as meninas podem vestir, ditem o respeito.

Regras de vestuário reforçam a ideia de que meninas tem que “se cobrir” porque garotos serão garotos; reforçam a ideia de que assediar é da natureza do homem e que é responsabilidade das mulheres evitar esse tipo de humilhação; reforçam a ideia de que as roupas de uma mulher definem seu respeito próprio e seu valor.

Ao invés de humilhar meninas por usar shorts em climas quentes, ensine estudantes e professores homens a não sexualizar partes normais do corpo feminino. Nós somos adolescentes de 13-17 anos de idade. Se você está sexualizando o nosso corpo, você é o problema.

Quando você interrompe a aula de uma menina para forçá-la a mudar de roupa ou mandá-la pra casa por que o short dela é “muito curto”, você está dizendo que garantir que os meninos tenham um ambiente de aprendizagem livre de “distrações” é mais importante do que garantir a educação dela. Ao invés de humilhar meninas pelos seus corpos, ensinem os meninos que elas não são objetos sexuais.

Ao invés de ensinar que a minha decência e o meu valor dependem do comprimento do meu short ou do tamanho do meu decote, ensine aos homens que eu sou a única responsável pela definição da minha decência e do meu valor. Ensine aos homens o respeito, desconstrua o pensamento de que a roupa de uma mulher decreta se ela é ou não merecedora de respeito.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O Colégio Anchieta diz ser um colégio que ensina a pensar e fazer o futuro, mas nós não vemos nada de futuro em suas aulas e suas políticas. Não discutimos temas atuais, fenômenos sociais; não aprendemos política; nunca ouvimos falar de feminismo, machismo, sexismo, racismo e xenofobia em sala de aula; não aprendemos sobre opressão de classe, gênero e raça; não nos falaram sobre o desastre da Vale/Samarco nem sobre as operações anticorrupção acontecendo no Brasil; não nos explicam sobre cotas para universidade; não nos ensinam a diferença entre opinião e discurso de ódio; não nos ensinam o mínimo para compreender e para viver em sociedade.

A prioridade é ensinar para o ENEM e vestibulares, entendemos. Mas a educação social e política não pode ser deixada de lado. É por meio dela que construiremos uma geração melhor que a anterior; é por meio dela que criaremos um mundo onde mulheres não serão julgadas e humilhadas pelas roupas que escolhem vestir, pela forma que tem ou por quantas pessoas já transaram; é por meio dela que acabaremos com a realidade de que, a cada 2 minutos, 5 mulheres são espancadas no Brasil e, a cada 11 minutos, 1 é estuprada; é por meio dela que criaremos um mundo onde cotistas não precisarão ouvir que “roubaram a vaga” de alguém que estudou a vida inteira em colégio particular; um mundo onde mães de crianças negras tenham certeza de que, no fim do dia, seus filhos voltarão pra casa; um mundo onde não perderemos mais vidas para a Guerra Às Drogas; onde mulheres não morrerão em clínicas clandestinas de aborto; onde a religião e a política não se misturarão; onde o capital não será mais importante do que a vida; onde os problemas de hoje serão solucionados.

Nós, alunas do ensino fundamental e médio do Colégio Anchieta, nos recusamos a obedecer a regras que reforçam e perpetuam o machismo, a cultura do estupro e slut shaming.”

[UPDATE] Alunos do Colégio Sinodal, da cidade vizinha São Leopoldo, demonstraram seu apoio ao abaixo-assinado usando shortinhos, segurando folhas A4 com a frase ‘Eles Por Elas’.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

meninos-shortinhos-close-2

Foto: Tiago da Rosa

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM




Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,824,688SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Após vários “nãos”, rapaz com autismo faz a tão sonhada tatuagem

Porque as pessoas com autismo têm plenas condições de decidir o que elas querem!

Escola debaixo da ponte dá educação de graça para crianças na Índia

Rajesh Kumar Sharma e Laxmi Chandra fundaram uma escola gratuita para crianças moradoras de favelas, no qual lecionam em quadros-negros pintado na parede de...

Políticos da Nova Zelândia cortam seus salários em 20% em meio à pandemia

Na última quarta-feira (15), a primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, afirmou que irá reduzir o seu próprio salário e de outros membros do...

Mãe que salvou os três filhos de incêndio volta para casa

Ao ver seus filhos, Gaia, 1 ano e 10 meses, Damião, 6 anos, e Samuel, 10, em perigo Marcela Reis não pensou duas vezes, atravessou...

Cachorrinha não sai do lado de dono cego que desmaiou; vídeo comovente viralizou

Fernando da Silva, de 43 anos, é deficiente visual e diabético e vive em Guarulhos (SP). Ele mora em uma casinha alugada com a...

Instagram