Estudantes criam abrigo móvel para moradores de rua com caixas de leite 

Um grupo de estudantes do 2º ano do curso técnico em Edificações do Centro Estadual de Educação Profissional (Ceep) de Curitiba (PR) criou um tipo de abrigo impermeável para pessoas em situação de rua usando caixas de leite.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Estudantes criam abrigo móvel para moradores em situação de rua com caixas de leite

O abrigo emergencial é portátil e resistente à ação da chuva – consiste numa barraca feita de embalagens Tetra Pak que podem ser dobradas como um origami e carregadas debaixo do braço.

Para construir um abrigo, são necessárias 140 caixas de leite e um ferro de passar roupa.

Estudantes criam abrigo moradores de rua com caixas de leite Tetra Pak

Thiago, um dos estudantes responsáveis pela invenção, explica que a ideia foi dar nova utilidade para os recipientes, muitas vezes descartados por conta da dificuldade de serem reciclados.

“A caixinha é feita de polietileno, papelão e alumínio. A gente corta as embalagens num tamanho padrão e, quando temos a quantidade necessária, sobrepomos uma na outra. Com o auxílio de um paninho e um ferro de passar roupas ligado, com muito cuidado, unimos as caixinhas, já que o calor do ferro derrete o plástico e faz as vezes de cola”, explica.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

As caixas de leite atuam como um isolante térmico, mantendo a temperatura do interior do abrigo em amenos 20 a 22°C.

Os estudantes calculam que a barraca tenha vida útil de seis meses se o morador de rua utilizá-la todos os dias.

Estudantes criam abrigo moradores de rua com caixas de leite Tetra Pak

A pesquisa foi encabeçada pelos estudantes Allan Ernesti, Leonardo das Neves, Thiago Bronoski de Oliveira e Udson Ribeiro e orientada pelo professor Gesse Lima e pelo ex-aluno do Ceep Juliano Jonas.

Todo o projeto ainda está sendo aprimorado, mas é considerado promissor. Os estudantes estão desenvolvendo uma esteira, também feita com caixinhas de leite, que ficará acoplada à barraca, para que a pessoa não fique em contato direto com o chão.

Para o professor Gesse Lima, que orienta o projeto, iniciativas como essa reforçam a importância do investimento direto em ciência no Brasil. “A gente precisa se apropriar dessas oportunidades de fazer ciência e criar conhecimentos. Eu pego um problema social, trago para a sala de aula e os alunos conseguem resolver. Nosso objetivo nunca foi o de ganhar prêmios, mas sim de desenvolver todo esse processo”, afirma.

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Fonte: Ricmais/Fotos: Reprodução/AENPR

Relacionados

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

987,515FãsCurtir
1,763,014SeguidoresSeguir
8,636SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Fotos de abelhas cansadas dormindo de “bumbum pra cima” dentro de flores viralizam

Uma série de fotos de abelhas tirando um cochilo dentro de flores com o bumbum cheio de pólen está fazendo o maior sucesso na...

No Pará, há mais de 40 anos existe um bloquinho infantil que homenageia os animais da Amazônia

Cada vez mais os blocos carnavalescos estão inovando e usando e abusando da criatividade, mas o que falar deste bloquinho infantil, do interior do...

O primeiro dia de aula do menino desnutrido que foi resgatado há um ano

O primeiro dia de aula é uma data marcante, que estabelece que seu filho(a) está crescendo e ganhando o mundo. Mas, para um menino em...

Fábio Assunção dá a volta por cima um ano depois de virar ‘piada’ no Carnaval

É impressionante o quanto as coisas podem mudar em apenas um ano, né? Olha o caso do ator Fábio Assunção, 48 anos. No Carnaval do...

Comediante arrecada quase R$ 1 milhão para menino que sofreu bullying

O vídeo de um menino com nanismo chorando após ser vítima de bullying na escola gerou uma onda de comoção e solidariedade de milhares...

Instagram