Adolescente defende mulher de assédio em ônibus com atitude corajosa

Cada vez mais ouvimos falar de casos de assédio sexual no transporte coletivo. Temos a impressão de que os números aumentaram de alguns anos para cá, mas é preferível acreditar que houve um aumento do número de denúncias.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Não só as vítimas, como também as pessoas que presenciam a violência estão expondo e denunciando os agressores. E pessoas de todas as idades, inclusive uma adolescente de 14 anos.

A estudante Anna Bernardo confrontou um homem que estava se aproveitando de uma mulher dentro de um ônibus, no Rio de Janeiro. Uma filmagem mostra a tentativa frustrada do rapaz de assediar a passageira.

Anna disse ao BuzzFeed News que alertou o motorista do coletivo, que não fez nada sobre o ocorrido. O assediador estava sentado na frente dela e, com a tela do celular apagada, tentou ver quem estava atrás dele observando seus movimentos.

“Daí ele foi pra frente e eu fui lá gritar com ele. E foi nessa hora que minha amiga começou a gravar”, lembra Anna.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Adolescente defende mulher assédio ônibus atitude corajosa Adolescente defende mulher assédio ônibus atitude corajosa

A adolescente acabou expulsando o agressor do ônibus. Só depois do ocorrido ela refletiu sobre os riscos que correu. Ela acredita que a mulher tenha prestado queixa, mas não tem certeza.

Veja o vídeo:

Adesivos para mulheres descerem fora do ponto

Há alguns dias falamos de uma determinação da SPTrans que obriga as empresas de ônibus de São Paulo a colocarem adesivos nos veículos indicando que a mulher pode escolher o local mais seguro para descer à noite.

Foi durante o dia que Anna expulsou o agressor do coletivo. Isso mostra que o agressor não tem hora certa para agir.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A determinação da SPTrans é uma conquista de grupos feministas e conscientiza as passageiras sobre uma lei que existe em São Paulo desde 2016. Mas, enquanto o assédio persistir, a mulher deve ter o direito assegurado de desembarcar a qualquer hora do dia quando sentir que está sendo violentada.

O Rio de Janeiro e as outras cidades também deveriam ter uma lei que garantisse esse direito, mas não apenas após as 22h, como acontece na capital paulista. Anna não teria corrido o risco de ser agredida pelo homem que assediou a mulher, concorda?

crédito das imagens: Reprodução/Twitter @jana17521552

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,495,414SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Cliente paga, com juros, cheque sem fundo que havia dado para comprar comida pro filho há 13 anos

Certa vez, publicamos aqui no RPA a história de uma mulher que tentou furtar alguns ovos para alimentar seus filhos, mas que foi pega...

Senhora compra calcinhas com purpurina achando que eram enfeites de Natal

Idosa comprou calcinhas com purpurina achando que eram bolas de Natal.

Estudantes se unem para ajudar vendedor de pastéis que trabalha há 43 anos em porta de escola em SP

Cícero Bezerra, 60, vende pastéis há 43 anos na frente da mesma escola. Só que nesse ano os estudantes o surpreenderam de uma forma...

Até 2020 a Coréia do Sul irá construir uma cidade inteira que não precisa de carros

Já não é de hoje que o uso de carros particulares vem sendo discutido, já que existem alternativas mais saudáveis e sustentáveis para o...

Há 37 anos, mulher produz e doa livros em braille a crianças cegas do mundo todo

Debra Bonde é uma mulher tímida que só queria encontrar um trabalho voluntário. Embora não planejasse criar uma organização sem fins lucrativos, em 1984,...

Instagram