Mulher adota pit bull prester a morrer para lhe dar o amor que nunca teve

“A vida dos cães é muito curta. Sua única falha, realmente.” A linda frase, de autoria de Agnes Sligh Turnbull, nos lembra que os cães não deveriam ir embora tão cedo, pois são demasiadamente especiais. Gradma Dot (Vovó Dot, em português), é uma pit bull idosa de Atlanta dos Estados Unidos, que é muito mais do que simplesmente “especial”.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Porém, depois que ela chegou ao abrigo LifeLine Animal Project, o veterinário deu notícias extremamente ruins: a pit bull surda e idosa, tinha um câncer que não poderia ser tratado.

Por isso, o pessoal do abrigo tornou-se mais determinado do que nunca a encontrar para ela um lar adotivo.

“Ela é tão amorosa que ela merece saber o que é ser amada de volta“, disse Karen Hirsch, porta-voz do LifeLine Animal Project, ao The Dodo.

“Havia algo especial sobre Grandma Dot que nossos funcionários e voluntários perceberam imediatamente. Ela era calma, dócil e incrível com pessoas e crianças. Pergunte a qualquer um na LifeLine e eles vão te dizer que a Grandma Dot é incrível”, completou.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O abrigo proporcionaria medicação e suporte, e o seu futuro dono garantiria que os melhores dias da Grandma Dot ainda viriam.

No início de julho, Jessica Miller estava completando a orientação de voluntariado no LifeLine Animal Project. A última parte foi um passeio pelo abrigo.

“O último canil em que paramos foi o de Grandma Dot”, contou.

Lhe contaram sobre a dura vida da cachorra e suas doenças – juntamente com a esperança de que, por mais adorada que a pit bull fosse ali, o abrigo não poderia ser o lugar onde ela morreria.

“Eles sabiam que ela não teria muito tempo e queriam desesperadamente que ela estivesse em um ambiente amoroso pelo tempo que lhe restasse. Fiquei instantaneamente comovida e sabia que esse era meu propósito”, afirmou Miller.

Depois de anos de negligência e meses no abrigo, Grandma Dot foi para seu novo lar no dia 8 de julho.

via GIPHY

Grandma Dot está amando sua nova vida e Miller adora ter a oportunidade de lhe oferecer isso. A pit bull gosta de passear de carro com ar condicionado e é muito entusiasmada e encantadora.

A cachorra ingere diversas pílulas – esteroides, anti-inflamatórios – e age como se sentisse muito bem. Porém, devido à sua idade e condição física, seu câncer não pode ser tratado.

Miller não sabe por quanto tempo elas ficarão juntas. É difícil e ela já se emocionou algumas vezes.

“O que torna isso muito melhor é observar quanta alegria ela tem por tudo o que posso lhe dar”, confessou.

“É algo belo o que Miller fez aqui – levando Grandma Dot e a amando”, diz Hirsch. Isso é tudo o que ela e a equipe do LifeLine Animal Project queriam.

“É preciso uma pessoa  para mudar a vida de um cachorro. Nesse caso, Jessica evitará que Grandma Dot morra sem nunca saber o que é ter um ser humano e como é ser amada, cuidada e mimada. Ela irá embora deste mundo feliz porque uma pessoa decidiu ficar com ela até o fim”, explica.

Para acompanhar mais detalhes sobre a linda cachorrinha, acesse sua página do Facebook 😀

Via

Fotos: Reprodução 

Relacionados

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

987,764FãsCurtir
1,764,214SeguidoresSeguir
8,645SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Jovem cria escola de lona para alunos carentes em Tocantins e internautas criam vaquinha

Com alguns tecidos, plásticos e madeiras que encontra no lixão, jovem construiu a sua escolinha de reforço. Mas quando chove, ele perde tudo.

Pitbull resgatado de “rinha” não para de sorrir no novo lar

Publicamos no final do ano passado o resgate de 33 pitbulls de uma “rinha” em Itu (SP). O estado dos cães era muito triste. Hoje,...

Menino vende desenhos no portão de casa para ajudar a família e comprar telas

Kayque coloca seus desenhos à venda no portão de casa por R$1,50 para conseguir dinheiro para as telas e para ajudar a família.

Cadeirante que faz entregas em SP sonha ter cadeira motorizada e internautas criam vaquinha

Conheçam o Luciano Oliveira, 44 anos, cadeirante que ficou conhecido por trabalhar como entregador de comida por aplicativo.

Ortobom doa 500 colchões para vítimas de chuva em Raposos (MG)

A Região Metropolitana de Belo Horizonte foi a mais afetada pelas fortes chuvas que caíram em Minas Gerais nas últimas semanas. Um exemplo é...

Instagram