Jovem é adotado após viver 13 anos em abrigo. “A adoção foi algo surpreendente para mim”

Ouvir histórias como a do Antonio Jucier da Silva Filho, hoje com 21 anos, é de trazer mais esperança para nossos corações! Ele foi abandonado aos 4 anos de idade e morou por 13 em abrigos para adoção. Quando não tinha mais esperança, uma família o escolheu como filho!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Familia de Antônio
Antonio encontrou sua família por acaso. | Reprodução: G1

Antonio foi deixado no Lar de Assistência ao Menor (LAM), em Santos, aos 4 anos de idade. “Meu pai e minha mãe eram alcoólatras e usuários de drogas“, conta. Além dele, também tinha um irmão e duas irmãs no mesmo lar. Como uma delas ainda era bebê, foi levada depois de algumas semanas. A irmã mais velha foi transferida para outro abrigo.

Ele conta que a primeira oportunidade de adoção veio quando ele tinha 8 anos. Um casal queria levar ele e o irmão, mas acabou se divorciando no meio do processo e a adoção foi cancelada.

“Então fui para a Casa Crescer e Brilhar, onde passei oito anos da minha adolescência. Meu irmão também foi transferido de abrigo, então não ficamos juntos.”, completa Antonio.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Participe do nosso canal no Telegram e receba todas as matérias e novidades do Razões, clique aqui.

Primeiro contato

A primeira vez que ele teve contato com a família adotiva foi através de um casal que o apadrinhou e sempre o levava para passear aos finais de semana. “Esse casal precisou mudar de país e, como não tinham minha guarda ainda, não conseguiram me levar junto com eles, porque esse processo é demorado”, lembra Antonio.

A sua atual família era amiga do casal que Antonio conhecia e sempre faziam programas juntos. “Eu acabei me aproximando dessa minha família atual. Minha mãe tinha três filhas que sempre choravam quando eu tinha que voltar para o abrigo. Elas já até me apresentavam como irmão. Fomos criando um carinho e ela resolveu me adotar”, relata.

Vaquinha para mãe solo que ofereceu faxinas por apenas R$20 para não faltar comida em casa. Doe ajude a mudar esta história!

Antonio diz que o processo de adoção foi bem tranquilo, principalmente devido a idade que ele tinha na época (17 anos). “A adoção foi algo surpreendente para mim. Nessa idade, já estamos com um pé fora do lar e sempre há um desespero em relação ao que fazer quando sair, para onde ir, como se sustentar sozinho, entre milhões de coisas que passam pela cabeça de um jovem acolhido“, explica.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Antonio e irmã
Ele conquistou primeiro as irmãs. | Reprodução: G1

Adoção tardia

De acordo com Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o banco de adoção no Brasil conta hoje com mais de 46 mil crianças e mais de 33 mil pessoas com intenção de adotar. Só que a maioria dos candidatos preferem crianças até 6 anos de idade, o que deixa cerca de 20% do banco de adoção inelegível.

O caso de Antonio é bastante incomum. Ele mesmo conta que não esperava mais que uma família o levasse. “Acham que já temos uma cabeça formada e hábitos que não vamos mudar. As vezes também acreditam que herdamos algumas coisas ruins dos nossos pais. Acredito que isso seja um preconceito”, diz.

A história de Antonio é muito parecida com a do policial que adotou cinco filhos de vítima de homicídio após atender ocorrência no RN

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

FONTE: G1 – Santos e Região 

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM




Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,839,934SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Roma oferece mais de 6 mil refeições diárias para necessitados além de albergue exclusivo para mães com filhos

Os motivos que fazem uma pessoa tornar-se sem-teto são muitos. Infelicidades da vida, escolha e por aí vai. E, nos últimos anos, o número...

PepsiCo inicia programa para contratar mulheres que estão fora do mercado de trabalho

O programa Ready to Return é uma iniciativa global para profissionais experientes que ficaram fora do mercado de trabalho por mais de dois anos.

Vizinhos aprendem língua de sinais para se comunicar com garotinho surdo

Wuustwezel, na Bélgica, é uma cidade bem pequena (apenas 18 mil habitantes), mas os moradores de lá, a tornaram gigantes! É que, para conseguir interagir...

Menina com suspeita de coronavírus cola bilhete fofo em saco de lixo e alerta garis

As crianças não se cansam de nos surpreender, e o anjinho da vez é uma menina com suspeita de coronavírus que fez questão de...

Jovem perde carro em incêndio e recebe mais de R$ 23 mil em doações para comprar um novo!

Moisés, de 24 anos, tomou um baita susto na noite do dia 21 de agosto. O pai dele o chamou desesperado, porque o seu...

Instagram