Advogada orienta mulheres sobre como agir diante de assédio sexual no trabalho

“Assédio sexual é muito difícil de ser provado e por isso o caso é tão importante. Nós, mulheres, temos que saber que a justiça está a nosso favor e temos que ter coragem de enfrentar o assediador para que ele não volte a fazer isso com outras mulheres”, foi com estas palavras que a advogada trabalhista de Goiânia (GO), Marcela Garcia, 35 anos, relatou a importância de retratar um caso ganho recentemente de assédio sexual que ela advogou para uma ex-funcionária de uma casa lotérica de Goiânia.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O que é assédio sexual?

Assédio sexual é toda conduta com intenção sexual sem receptividade da mulher, ou seja, toda vez que não há consentimento da mulher é assédio. No caso em específico, Marcela explicou ao Razões que o patrão convidava insistentemente a ex-funcionária para ter relações sexuais com ele, em troca disso, ele oferecia dinheiro e uma vida melhor.

“Em todas as vezes ela recusou e ele se manteve insistente. O patrão chegou a mentir que faltava dinheiro no caixa dela e lhe dizia que se ela fosse ao motel com ele tudo se resolveria. Ele chegou ao absurdo de tocar suas partes íntimas e quando confrontado sobre isso pela mãe da vítima, ele dizia que eram apenas cantadas, gracejos, quando na verdade era assédio descarado, travestido de ‘foi só um elogio’ mal interpretado”, informou.

O processo, desde da denúncia até a comprovação judicial do assédio, é lento, por conta da morosidade da própria justiça. A ex-funcionária esperou dois anos para que o assédio fosse comprovado judicialmente. Porém, para a vítima, essa espera pode ser muitas vezes longa e dolorosa, e é neste momento que ela mais precisa de apoio dos familiares e amigos para que este processo seja o menos traumático possível.

O que podemos fazer é não soltar a mão da vítima, deixando claro que ela não está sozinha nessa jornada e que sempre terá nosso apoio durante todo o processo. Sempre que aparecem situações assim para mim eu me torno, além de advogada, amiga da minha cliente, sou mulher, já fui assediada e sei como é ruim”, disse.  Confira o caso:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Marcela Garcia (@marcelagarciaadvogada) em

Como agir caso você seja vítima de assédio sexual no trabalho

Diariamente, a advogada recebe em suas redes sociais pedidos de ajuda de mulheres que sofrem assédio sexual no trabalho. A primeira coisa que a vítima deve fazer é contar para familiares e amigos o que está acontecendo, isso é importante para a proteção dela. Pedir a ajuda de pessoas confiáveis do local de trabalho também pode ajudar.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Caso o assediador tenha um superior hierárquico deve-se fazer uma reclamação junto a ele porque a empresa tem obrigação de proteger e amparar essa mulher, podendo ser condenada de forma solidária em ação judicial caso se mantenha inerte, já que a empresa é responsável pela saúde mental e integridade física da trabalhadora”, informou.

Outro ponto importante é guardar qualquer coisa que ache que sirva de prova contra o assediador, como mensagens e se possível tentar fazer uma gravação de áudio dos assédios, uma prova difícil de ser produzida, mas não impossível. “No caso em que advoguei a mulher conseguiu confrontar o patrão e gravar tudo, essa gravação foi muito importante para o sucesso da ação. E por fim, juntar as provas que possui, e se tiver testemunhas, ir até uma delegacia e fazer um BO por assédio sexual”.

Marcela explicou também que assédio sexual é crime e tem pena de 1 a 2 anos. Portanto, a vítima pode processar o assediador na esfera criminal, além na trabalhista com indenização.

Para a mulher que não tem condições de pagar um advogado ela, em tese, deveria procurar a Defensoria Pública para que lhe seja fornecido um advogado. Acontece que na justiça do trabalho não há essa opção, a Defensoria Pública não fornece advogado para atuar em causas trabalhistas. Muitos advogados parcelam seus honorários. Caso ainda assim a mulher não consiga pagar ou não encontre um advogado que facilite o pagamento na audiência inicial é requerido que a OAB indique um advogado que irá fazer sua defesa durante todo o processo.”

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

advogada ajuda mulheres vitimas assedio sexual trabalho
“Informação é poder. Quantos mais informação uma mulher tiver menos assédio teremos.”

Não tenha medo de denunciar o assediador

Em muito casos, segundo a advogada, o assediador é alguém em função superior, que tem presteza, uma pessoa que a sociedade acha que nunca cometeria assédio sexual. Juntamente com isso, vem a culpa, de acreditarmos que a culpa do assédio é nossa.

A sociedade nos fez acreditar que estamos erradas, que não é assédio, que é só uma cantada, e que se for assédio a culpa é exclusivamente nossa e isso nos inibi, nos dá medo. Acontece que não é assim. Temos que ter consciência que a culpa nunca é da vítima e que por mais difícil que seja a situação temos que enfrentá-la de frente. Penso que um assediador nunca irá parar, acredito que ele sai de uma vítima e já faz outra, por isso é tão importante a denúncia”.

Apesar de ser uma situação muito difícil, devemos sempre encorajar a vítima. Se você têm dúvidas e precisa do auxílio de uma profissional, a Marcela está no Instagram @marcelagarciaadvogada. “Informação é poder. Quantos mais informação uma mulher tiver menos assédio teremos. Não é só sobre advogar, é sobre fazer diferença na vida de outra pessoa e me sinto assim hoje”.

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

advogada ajuda mulheres vitimas assedio sexual trabalho

crédito das fotos: Arquivo pessoal

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,642,968SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Pesquisador indiano cria aparelho auditivo que pode custar apenas US$ 1

Há alguns anos, os avós de Saad Bhamla perderam a audição e não tiveram como custear um aparelho. Então ele iniciou uma pesquisa, para...

Instituto visa capacitação profissional e empregabilidade de jovens e pessoas com deficiência no Brasil

O primeiro emprego abre portas para a independência financeira e permite que as habilidades sejam colocadas em prática. É nesse campo de atuação que...

Menino vende desenhos para ajudar irmão gêmeo autista

Esbanjando criatividade, Thiago, 9 anos, desenha à mão retratos de pessoas e até famosos que vê na TV e os vende para ajudar o...

A pedreira Lia busca auxiliares mulheres para dar conta dos trabalhos que chegam aos montes

A pedreira Lia busca auxiliares mulheres (cis ou trans) para dar conta dos trabalhos que não param de chegar.

Instagram