Professora da rede pública faz projeto que estuda cultura afro na matemática

De uns tempos pra cá a discussão em relação à educação, as diferentes formas de ensino e o conteúdo estudado vem aumentando. É neste sentido que a Escola de Ensino Médio Governador Celso Ramos, em Joinville (SC), iniciou um programa chamado Etnomatemática, com os alunos do segundo ano desta escola, proposto por Andreia Cristina Maia Viliczinski, professora de matemática da rede pública de ensino de Santa Catarina e cuja umas uma das principais vertentes  é a Afroetnomatemática.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A proposta pedagógica deste programa é estudar o ser humano em sua totalidade, respeitando as diferenças e promovendo um debate aberto em relação às minorias, sendo assim, uma das principais vertentes do inovador programa é a Afroetnomatemática, que estuda temas como o osso de Ishango, o jogo Mancala, formas geométricas nos fractais, gráficos na areia (também conhecidos como gráfico de Sona), capoeira e o jogo de búzios. Através deste projeto, os alunos são capazes de resolver questões do dia a dia, utilizando a probabilidade, uma das matérias clássicas da matemática.

“Todos os povos têm os seus saberes, seu acúmulo específico de experiências, aprendizados e invenções. O raciocínio, a razão, o pensamento lógico e abstrato, as capacidades de observar, comparar, medir e selecionar, estão presentes em todas as sociedades”, escreveu Andreia para o site Porvir.

Relacionado: No DF, escola propõe experiência pedagógica sem provas e com projetos ligados à comunidade

Os gráficos de Sona é uma maneira diferente de contar, que cria diferentes análises combinatórias, formando desenhos incríveis, como este:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Afroetnomatemática

Esta é uma maneira de aproximar mais a matemática dos alunos e, ao mesmo, tempo, propor um debate atual e importante, que valoriza as diferenças e abrange todos os diferentes povos e culturas, principalmente a afro. Uma das premissas básicas desta matéria é discutir relações étnicas raciais que permearam a construção do Brasil e que deve ser uma obrigação de todos os cidadãos conscientes.

Soluções de problema com a Afroetnomatemática

O que costuma ser visto como um desafio para os professores de matemática, que é abordar temas como análise combinatória, gráficos, probabilidade e raciocínio lógico, a afroetnomatemática consegue solucionar de forma simples ao mesmo tempo que aborda a história da África, que está diretamente ligada com a do Brasil.

O projeto ‘África o Berço da Matemática’ permite com que os alunos estabeleçam uma relação direta dos conflitos vistos no mundo hoje com a história deste continente e ele começou com a exibição do filme “Besouro”, que resgata a memória dos afrodescendentes no Brasil. Através de trabalhos extracurriculares em que a sala é dividida em grupos, os alunos conseguiram estabelecer uma ligação entre cada tema proposto com a matemática, aprendendo de forma mais lúdica, interativa e leve.

Leia também: Vídeo de estagiário do Giraffas ajudando deficiente a comer viraliza na web

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Afroetnomatemática

Com informações de Porvir

Fotos: Revista Scientifc American Brasil / Adrenalina Pura

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,758,975SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Mãe realiza pedágio para venda de bonecas da filha com síndrome rara e ninguém aparece

Ela teve um prejuízo grande, voltando para casa com todas as bonecas, cerca de 200 delas.

Termina a espera de cão sem patas traseiras por um novo lar

Em julho de 2017, o cão Marvin foi atropelado por um carro quando atravessava a rodovia Régis Bittencourt (BR-116), em São Paulo (SP). O impacto...

Depois de ter carro roubado, homem decide ajudar outras vítimas doando automóveis para elas

Jermaine Jordan mora em Chicago (EUA) e passou por algumas experiências traumáticas no passado. Enquanto estava parado no trânsito, já foi sequestrado e teve...

Aos 94 anos, atleta idosa corre 3 vezes por semana de 7 a 12 km e brinca: ‘Vovó corredora’

Aos 94 anos de idade, a dona Adelmira Adão mantém uma rotina de dar inveja: três vezes por semana, antes das cinco horas da...

Vendedor de picolé ganha frango de policial após ser flagrado trabalhando na chuva e se emociona

O flagrante de um vendedor de picolé trabalhando durante um temporal, em Rio Branco (AC), emocionou toda a internet. Seu Sebastião, 55 anos, empurrava...

Instagram