Professora da rede pública faz projeto que estuda cultura afro na matemática

Clique e ouça:

De uns tempos pra cá a discussão em relação à educação, as diferentes formas de ensino e o conteúdo estudado vem aumentando. É neste sentido que a Escola de Ensino Médio Governador Celso Ramos, em Joinville (SC), iniciou um programa chamado Etnomatemática, com os alunos do segundo ano desta escola, proposto por Andreia Cristina Maia Viliczinski, professora de matemática da rede pública de ensino de Santa Catarina e cuja umas uma das principais vertentes  é a Afroetnomatemática.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A proposta pedagógica deste programa é estudar o ser humano em sua totalidade, respeitando as diferenças e promovendo um debate aberto em relação às minorias, sendo assim, uma das principais vertentes do inovador programa é a Afroetnomatemática, que estuda temas como o osso de Ishango, o jogo Mancala, formas geométricas nos fractais, gráficos na areia (também conhecidos como gráfico de Sona), capoeira e o jogo de búzios. Através deste projeto, os alunos são capazes de resolver questões do dia a dia, utilizando a probabilidade, uma das matérias clássicas da matemática.

“Todos os povos têm os seus saberes, seu acúmulo específico de experiências, aprendizados e invenções. O raciocínio, a razão, o pensamento lógico e abstrato, as capacidades de observar, comparar, medir e selecionar, estão presentes em todas as sociedades”, escreveu Andreia para o site Porvir.

Relacionado: No DF, escola propõe experiência pedagógica sem provas e com projetos ligados à comunidade

Os gráficos de Sona é uma maneira diferente de contar, que cria diferentes análises combinatórias, formando desenhos incríveis, como este:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Afroetnomatemática

Esta é uma maneira de aproximar mais a matemática dos alunos e, ao mesmo, tempo, propor um debate atual e importante, que valoriza as diferenças e abrange todos os diferentes povos e culturas, principalmente a afro. Uma das premissas básicas desta matéria é discutir relações étnicas raciais que permearam a construção do Brasil e que deve ser uma obrigação de todos os cidadãos conscientes.

Soluções de problema com a Afroetnomatemática

O que costuma ser visto como um desafio para os professores de matemática, que é abordar temas como análise combinatória, gráficos, probabilidade e raciocínio lógico, a afroetnomatemática consegue solucionar de forma simples ao mesmo tempo que aborda a história da África, que está diretamente ligada com a do Brasil.

O projeto ‘África o Berço da Matemática’ permite com que os alunos estabeleçam uma relação direta dos conflitos vistos no mundo hoje com a história deste continente e ele começou com a exibição do filme “Besouro”, que resgata a memória dos afrodescendentes no Brasil. Através de trabalhos extracurriculares em que a sala é dividida em grupos, os alunos conseguiram estabelecer uma ligação entre cada tema proposto com a matemática, aprendendo de forma mais lúdica, interativa e leve.

Leia também: Vídeo de estagiário do Giraffas ajudando deficiente a comer viraliza na web

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Afroetnomatemática

Com informações de Porvir

Fotos: Revista Scientifc American Brasil / Adrenalina Pura

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,057,945FãsCurtir
2,191,217SeguidoresSeguir
18,440SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Jovem com deficiência cria lindas caminhas para cães e gatos, mãe pede apoio, e ele vende tudo!

O garoto Elías tem uma deficiência, mas quem diz que ela o impede de fazer caminhas para cães e gatos que são a coisa...

Adolescente recusa oferta de R$ 46 milhões por site sobre Covid-19

O que você faz quando tem 17 anos? Pensa em estudar, curtir a balada, se divertir. Mas, não o Avi Schiffmann. Ele construiu um...

Cliente reclama da camisa de atendente e restaurante faz uma igual para todos os funcionários

O restaurante The Chowder House recebeu um review negativo no Facebook somente por causa da camisa de um de seus atendentes. E sabe o...

Repórter adota cãozinho que não parava de abraçá-lo durante reportagem

Esse doguinho literalmente escolheu seu novo tutor! Geralmente é o contrário, né, não para esse Caramelo, que deu um abraço dengoso no repórter e...

Ator Ary Fontoura conquista a web com posts de receitas, exercícios e jogando videogame!

De um jeito muito despojado, o ator Ary Fontoura, 87 anos, se torna um fenômeno nas redes sociais. ele já ultrapassa o primeiro milhão...

Instagram

Professora da rede pública faz projeto que estuda cultura afro na matemática 13