Agente penitenciário transforma a vida de filhos de detentos através do basquete (MS)

O basquete foi para ele um esporte que abriu portas, o levou para conhecer o mundo, um
jeito de se manter disciplinado e atento, mas nunca um caminho profissional.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Cláudio dos Reis seguiu carreira militar por um tempo e, depois de sete anos, decidiu investir em cursos públicos. As profissões mudaram com o tempo, mas o desejo de fazer mais através do esporte sempre esteve ali.

Ao se tornar agente penitenciário e pai, sua vida foi transformada com bastante intensidade.

O convívio com os detentos e a realidade daqueles muitos filhos que viam os caminhos dos
seus pais o único possível, fez com que ele entendesse que tinha chegado a hora de usar o
esporte como forma de aproximação com aqueles meninos. “Muitas vezes, eu usava o
momento da revista antes da visita para falar sobre o basquete e convidar aqueles garotos”, afirma Cláudio.

Foto: Reprodução

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

O trabalho do Adote 1 Atleta começou aos poucos, os jogos eram na rua, as bolas eram
velhas. Cada dinheiro que sobrava era investido em tabelas e acessórios de jogo. Mas,
apesar de todas as dificuldades, não faltava força de vontade.

“Quando chegamos a Aquidauana, no Mato Grosso do Sul, Cláudio fazia quase o
impossível para garantir o projeto funcionando. Usava a quadra de uma escola abandonada
e, por muitas vezes, ele era o único responsável por mais de 60 crianças em quadra. Era
bonito ver que a dificuldade não o impedia de sonhar, ele colocava em prática o discurso de
que não precisa esperar ter dinheiro ou estrutura para começar. Ele simplesmente doava
tudo que tinha, tudo de si!”, contam Iara e Eduardo, Caçadores de Bons Exemplos.

É na quadra que o ex-jogador transforma a vida de crianças e jovens
Foto: Reprodução

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

São 10 anos dedicados ao basquete, que hoje tem um novo significado para a comunidade.
Já não é mais um jogo de elite ou uma atividade física. Hoje, jogar basquete é um caminho
que leva aqueles garotos para um lugar muito longe das celas e prisões onde Cláudio
trabalha.

“Alguns detentos quando cumprem suas penas, vão para a quadra ver seus filhos jogar. Me
olham nos olhos e dizem que não cabe em palavras a gratidão que eles sentem. Nem se
me oferecessem pagar um alto salário para fazer o que eu faço, eu aceitaria. Isso não tem
preço!”, disse o idealizador do projeto.

Hoje, o projeto conquistou um espaço próprio, uma estrutura completa com equipamentos,
vestuário, uniforme e tudo que um grande time precisa ter. Mas, mesmo tendo tudo isso,
não perdeu o mais importante: a certeza de que com amor e força de vontade, as coisas
podem seguir caminhos diferentes e ter um final nada óbvio.

Para conhecer mais e ajudar conecte-se com o projeto Adote 1 Atleta.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Conteúdo produzido pelos Caçadores de Bons Exemplos, projeto parceiro do RPA.

 

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,763,858SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Projeto reúne fotos espetaculares de pais tatuados com seus filhos

Pais tatuados mostram ao mundo que não são diferentes de qualquer outra pessoa na sociedade. Tatuagens não mudam caráter, e não afeta a capacidade...

Empresa dá lição aos pais que desencorajam garotas nas áreas de exatas

Vocês já pararam para pensar por que há menos mulheres cientistas do que homens? Se meninos e meninas gostam tanto de dinossauros quando crianças ou de...

Com alimentos que iriam para o lixo, Austrália abre supermercado gratuito

A Austrália ganhou  o primeiro supermercado gratuito de produtos descartados pelos restaurantes, supermercados e pessoas. Criado pela ONG de combate ao desperdício de alimento OzHarvest,...

Pessoas se reúnem para entregar mensagens positivas através de rosas, bilhetes e balões a desconhecidos

Todos sabemos que a loucura cotidiana acaba nos deixando automatizados a fazer as mesmas coisas e a reagir da mesma maneira. Por isso, é...

Pai tatua aparelho auditivo igual o da filha para que ela não se sentisse diferente

Quando eu soube dessa história, logo me veio à cabeça um texto sensacional do Pedrinho Fonseca, pai de João, Irene e Teresa, (e também...

Instagram