Agricultores transformam deserto em floresta no coração do semiárido baiano

Uma enorme área verde contrasta em meio à paisagem desértica típica do Semiárido baiano. Em Poções, no sul do estado, agricultores transformaram parte da Caatinga em uma floresta cheia de vida.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O “arquiteto” desse verdadeiro oásis é o engenheiro aposentado Nelson Araújo Filho, de 66 anos. “Quando comecei aqui, o solo era compactado e não produzia nada”, disse ele à BBC.

Por muitos anos parte dessa área pertenceu ao pai de Nelson, que produzia milho e aipim. Depois, o terreno virou pasto para gado.

Décadas de uso intensivo e mal planejado esgotaram o solo, a ponto dele virar deserto (como 13% de toda a terra do semiárido do Brasil).

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Há três anos, disposto a reverter esse processo, Nelson começou a implantar um sistema agroflorestal de 1,8 hectare (o equivalente a 2 campos de futebol), que busca reviver o ecossistema original dessa região.

Interrompendo a desertificação

A primeira coisa que Nelson fez foi plantar espécies típicas da Caatinga – como a palma forrageira e o aveló, – resistentes o bastante para sobreviver em solos degradados.

De tempos em tempos, ele podava a vegetação e usava o material cortado como adubo para o solo. Pacientemente, Nelson viu o ecossistema ganhar vida: não demorou muito para árvores frutíferas de grande porte florescerem.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Com frutas e flores em abundância, aves e abelhas começaram a frequentar o “oásis”. Em seguida, foi a vez dos animais silvestres se abrigarem por ali, especialmente os veados.

Dentro de alguns anos, Nelson acredita que o ecossistema terá plantas de todas as alturas e alta variedade de espécies. Com tanta prosperidade, será possível extrair mel, frutas e outros alimentos para os rebanhos todos os anos.

E vale ressaltar: tudo sem agrotóxicos ou adubos químicos. O engenheiro aposentado também não utilizou uma gota sequer de água via irrigação.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Não falta água na Caatinga”, disse, enfatizando que o orvalho banha a vegetação todas as noites. Toda a água do sereno é suficiente para manter a floresta vívida.

“A chuva, para mim, é um bônus”, brincou.

Água em abundância e retenção de nutrientes no solo

Na visão da professor e agrônoma Eunice Maia, da Universidade Federal do Ceará, sistemas agroflorestais são capazes de recuperar uma boa parcela dos solos do Semiárido.

Eunice possui um doutorado em Recursos Naturais Renováveis pela Universidade do Arizona (EUA) e é especialista em conservação de solo e água no Semiárido.

Para ela, esses sistemas “facilitam a infiltração da água e reduzem seu escoamento superficial, o que protege a microbiologia do solo e ajuda a reter nutrientes”.

A professora reconhece que não é possível implantar o sistema em muitas partes do semiárido (em especial onde chove muito, muito pouco), mas cada caso merece ser estudado.

No caso do município baiano de Poções, Nelson implantou seu sistema agroflorestal com um índice médio de chuvas de 624 mm/ano, valor considerável suficiente para o desenvolvimento da agrofloresta.

De toda forma, o combate à desertificação exige “um conjunto de ações e técnicas distintas”, que considerem o nível de chuvas e as aptidões de cada local, enfatiza Eunice.

Assista ao vivo os ganhadores do Prêmio Razões para Acreditar, dia 07/12 às 18h! Ative as notificações clicando aqui.

Saiba mais assistindo ao vídeo abaixo:

Fonte: BBC Brasil
Fotos: Arquivo pessoal

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM






Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,970,136SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Abaixo-assinado “Vai ter shortinho sim” recebe apoio de meninos usando shortinhos [UPDATE]

O abaixo-assinado Vai ter shortinho sim criado por alunas do ensino fundamental e médio do Colégio Anchieta, um dos mais antigos de Porto Alegre...

Em Maceió, enfermeira faz sapatinhos improvisados para aquecer pés de paciente

"Toda enfermeira foi atraída para a enfermagem por causa do desejo de cuidar, servir ou ajudar o próximo", disse uma vez a escritora Christina...

Funcionário de hospital faz desenhos com flores do chão e sensibiliza pacientes

O auxiliar de serviços gerais, Valteni da Silva, varre o chão banhado pelas flores de jambo e as transforma em obras de arte.

No CE, filha e pai faxineiro são aprovados juntos em universidade federal

Entrar na faculdade depois de passar pelo tão temido vestibular já é emocionante por si só, imagina então quando pai e filha entram ao...

Programa em Curitiba troca lixo por comida para a população e todo mundo sai ganhando

Muitas soluções sociais em um programa só, está bom ou quer mais? Está aí um exemplo a ser seguido, promovido e compartilhado. O Programa...

Instagram