Empresa incentiva alfabetização de garis, que trocam vassouras por lápis e caderno no DF

Clique e ouça:

Uma parceria entre a empresa de limpeza Sustentare Saneamento e a Universidade Católica de Brasília (UCB) têm dado a oportunidade para dezenas de garis se alfabetizarem, aprendendo a ler e escrever.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Iniciado no início deste mês com 3 turmas completas e 50 alunos, a primeira etapa do curso de alfabetização de garis terá duração de nove meses.

Assim, estas pessoas que antes não conseguiam ler uma receita ou um letreiro de ônibus estarão habilitadas até o final a literalmente escreverem uma história diferente para suas vidas.

De acordo com um levantamento feito pelo Departamento de Recursos Humanos da Sustentare de Brasília, aproximadamente 60% dos 2.700 garis da empresa (1620 funcionários) são analfabetos ou não terminaram o ensino fundamental.

“Além de proporcionar uma vida mais digna, a alfabetização é muito importante para aumentar o engajamento dos funcionários, as chances de promoção e diminuir os riscos de acidentes”, afirma Williani Carvalho, Coordenadora de Projetos e Desenvolvimento Humano da Sustentare e também professora do projeto.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Leia tambémGari com deficiência visual é aprovado no Enem e vai cursar História na UFG

Esta é a quinta edição do projeto, iniciado em 2015.

Ao todo, 167 garis foram alfabetizados até aqui.

Empresa incentiva alfabetização de garis, que trocam vassouras pelas salas de aula
Foto: Divulgação / Sustentare

A metodologia de alfabetização foi desenvolvida pela Universidade Católica de Brasília, a partir do projeto filantrópico “Alfabetização Cidadã”, que atende jovens e adultos não alfabetizados.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Os professores Luiz Filipe Arruda e Amanda Teles são funcionários da Sustentare e assim como Williani Carvalho, fizeram o curso de capacitação de educador promovido pela universidade.

“Todas as quintas-feiras temos reuniões pedagógicas com a coordenação da UCB onde falamos sobre a evolução e as dificuldades encontradas. A partir daí nasce o planejamento das aulas seguintes, que são lúdicas e envolvem a realidade vivida pelos garis”, comenta Amanda Teles.

As turmas têm aulas às terças e quintas das 13h às 14h15, às quartas e sextas das 14h às 15h15 e às quintas e sextas das 14h às 15h15.

Todo o mobiliário das salas de aulas foi doado pela Sustentare, que também custeia os alfabetizadores e equipe pedagógica.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Os materiais escolares e a metodologia de ensino é fornecida pela UCB. Por fim, o Serviço de Limpeza Urbana do Distrito Federal (SLU-DF) cedeu os espaço físicos e autorizou que os alunos estudassem durante o horário de trabalho, contribuindo para reduzir a evasão escolar.

Após a conclusão do curso, os alunos participarão de uma formatura bancada pela Universidade Católica de Brasília, e poderão ser inseridos na rede pública, de modo a continuarem seus estudos.

Leia tambémApós matéria do Razões, gari responsável pela sobrevivência de mais de 400 famílias reencontra filhas e irmãs

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Fonte: SNB
Foto destacada: Divulgação / Sustentare

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,050,303FãsCurtir
2,191,217SeguidoresSeguir
17,184SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Homem com deficiência humilhado por atraso de salgados se surpreende com apoio: “o telefone não para”

Coisa mais linda essa corrente de solidariedade, o Rafael tá sem acreditar! Rafael foi humilhado por um cliente que não aceitou o atraso da sua...

Cãozinho é reprovado em treinamentos da polícia por ser ‘dócil demais’

E essa carinha de: "Alguém brinca comigo, por favor!"?

Vendedor de salgados é humilhado e recebe ajuda de vaquinha que bate R$70 mil em 24h

Rafael, que só tem uma das mãos, foi humilhado por cliente que não aceitou o atraso da sua encomenda de salgados.

“Eu quito!”, diz Tatá Werneck para seguidora que desabafou sobre dívidas na pandemia

A Tatá Weneck se ofereceu para pagar as dívidas de uma seguidora depois que ela postou um meme no seu Instagram. O meme é uma...

Jovem ‘zombada’ por vender sacos de lixo para ajudar a mãe não abaixa a cabeça

A estudante de enfermagem Clara Soares, 18 anos, vende sacos de lixo e panos de chão em Ceilândia (DF) para ajudar a mãe. Enquanto batia...

Instagram

Empresa incentiva alfabetização de garis, que trocam vassouras por lápis e caderno no DF 13