Em SP, aluna bolsista comove a todos em discurso poderoso de formatura

Talvez um dos momentos mais importantes e mais marcantes na vida de um jovem seja o dia de sua formatura. É como ver um sonho se realizando, depois de tantos anos de esforço e um discurso de formatura de uma bolsista da Faculdade de Direito da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) está comovendo as redes sociais.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Michele Alves tem 23 anos, é filha de empregada doméstica e foi bolsista nos cinco anos em que estudou nesta faculdade particular de São Paulo, conhecida por ser uma das melhores em direito e localizada na zona oeste da cidade, no bairro de Perdizes.

A cerimônia de formatura aconteceu na última quinta-feira e em seu discurso ela deixou claro que os anos em que passou estudando na universidade não foram fáceis, pois ela e alguns colegas com situação similar sofreram preconceito, por parte dos alunos e dos professores. Em seu discurso ela homenageia todos os estudantes que levam mais de 3 horas diárias para poder ir até a faculdade, já que moram em bairros afastados e diz que ela e seus colegas resistiram à falta de inglês fluente, roupas sociais e linguajar rebuscado.

Infelizmente, a jovem diz que chegou a receber alguns insultos no ambiente acadêmico, de pessoas que mesmo em tom de piada inocente estão desrespeitando todos os filhos de porteiros e empregadas domésticas e que no terceiro dia de aula, uma professora chegou a dizer que “”não estudem Direito Civil por sinopse, porque até a filha da minha empregada que faz Direito na ‘Uniesquina’ estuda Direito por sinopse”. Neste dia, Michele chegou a pensar em desistir, mas foi sua mãe que a incentivou a continuar e a vencer esse preconceito.

Hoje, Michelle é advogada formada por uma das melhores instituições do país, foi aprovada no exame da OAB e trabalha em um escritório de advocacia. A jovem é nascida em Macaúbas, no interior da Bahia, mas se mudou para São Paulo quando tinha 12 anos e disse que o incentivo de seus chefes também foi essencial para que ela não desistisse. Em um dos trechos de seu discurso, ela enfatiza que a falta de apoio não é somente por parte do Estado, mas também dos próprios colegas e professores:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Resistimos também à falta de apoio financeiro e educacional da Fundação São Paulo, aos discursos da vitimização das minorias e à suposta autonomia do indivíduo na construção do seu próprio futuro. Resistimos também aos insultos feitos a nossa classe, aos desabafos dos colegas sobre suas empregadas domésticas e seus porteiros. Mal sabiam que esses profissionais eram na verdade nossos pais”

A jovem disse que a intenção de seu discurso era a de incentivar outras pessoas que vivem uma realidade parecida com a sua e ela deixa bem claro nesta parte:

“Me dedico à resistência daqueles que cresceram sem privilégios, sem conforto e sem garantia de um futuro promissor, daqueles que foram silenciados na universidade quando pediram voz e que carregaram, desde cedo, o fardo do não pertencimento às classes dominantes”

É triste saber que ainda existem pessoas que pensam tão pequeno e que precisam diminuir as outras para se sentirem maiores, mas é maravilhoso saber que existe uma quantidade imensa de jovens que lutam para mudar essa realidade e para construir um Brasil de todos e para todos!

Ouça abaixo o discurso completo de Michele:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Com informações de O Globo
Foto: Michele Alves

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,271,435SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Com caderno de elogios, professora melhora autoestima de alunos

As crianças escrevem elogios para os colegas, para os funcionários da escola e para seus familiares.

Casal adota 6 irmãos que passaram 5 anos em orfanato

O casal Steve e Rob Anderson-McLean, da Pensilvânia, EUA, adotou seis irmãos que passaram 1.640 dias em um orfanato. Steve e Rob estão juntos há 18...

Martinho da Vila, aos 79 anos, cursa faculdade de relações internacionais: “Conhecimento nunca é demais”

Martinho atualmente faz quatro disciplinas e é um dos alunos mais aplicados da turma.

Lar de idosos em Joinville (SC) adota animais idosos resgatados

Infelizmente, muitas pessoas têm coragem de abandonar seus animais quando eles ficam idosos e, para esses animais, a chance de serem adotados e arranjar...

Hospital organiza sessão de fotos com bebês da UTI Neonatal e o resultado é comovente

A angústia e o sofrimento de pais de bebês que estão na UTI deram lugar à alegria e felicidade no Hospital Regional da Ceilândia, no Distrito Federal.

Instagram

Em SP, aluna bolsista comove a todos em discurso poderoso de formatura 2