Professora adapta aulas de dança para incluir aluno cego na PB

Para incluir um aluno deficiente visual nas aulas de dança que leciona em Campina Grande (PB), a professora Dany Inô adaptou toda a sua metologia de ensino.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Rogério Nunes entrou para a turma há cerca de três anos e é a inspiração da turma.

“Todo mundo pode dançar, a gente costuma dizer isso e as pessoas não acreditam, mas a dança é para todos”, diz a professora de dança.

Rogério trabalha como bancário. Em uma conversa com um amigo que já participava das aulas de dança, ele decidiu encarar o desafio e também entrou para a escola.

professora aulas de dança aluno cego

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Aulas de dança são para todos”

“A dança chegou casualmente na minha vida. Conversando com um amigo, ele falou que fazia aula de dança e perguntou se eu tinha interesse, e eu disse que sim, aí eu vim fazer uma aula experimental, gostei do entrosamento que tive com a turma, do entendimento com os professores, da didática, e estou aqui há três anos”, conta Rogério.

Leia também: Professora inclui aluno cego com materiais 100% táteis e viraliza nas redes sociais

A escola adaptou sua metodologia de ensino para incluir o bancário nas aulas de dança. De acordo com Dani, ela foi aprendendo a ensinar com o próprio aluno. “Eu fui aprendendo aos poucos com ele, ele me ajudou muito a desenvolver uma metodologia pra que eu pudesse explicar a movimentação pra ele”, destaca a professora.

Bruna Dantas, estudante e parceira de Rogério na dança, afirma que desde que começou a dançar com o colega, começou a prestar mais atenção nos passos durante as aulas de dança. “Dançar com o Rogério me fez ter mais autonomia, me fez prestar mais atenção nos passos, na coreografia, nos detalhes, na contagem”, relata.

professora aulas de dança aluno cego

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Já o fisioterapeuta Lucas Antônio, que acompanha Rogério na escola, afirma que ele é muito dedicado. “Por mais que os passos às vezes sejam difíceis, ainda mais pra ele, ele tá sempre lá tentando, repetindo, sempre na perseverança e conduzindo também”, salienta.

Leia tambémFilhas ‘inventam’ casamento para dançar valsa com pai com câncer terminal

“Primeiro a gente tem que querer fazer as coisas e, segundo, tem que ter oportunidade. Precisamos das duas coisas!”, afirma Rogério Nunes.

Compartilhe o post com seus amigos!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.
  • Envie sua história aqui.

Fonte: G1/Fotos: Reprodução/TV Cabo Branco

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
2,833,091SeguidoresSeguir
24,677SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

A importância de resgatar memórias na terceira idade

Por Laura Gonçalves Sucena Fortalecer vínculos familiares e de convívio e promover a autonomia e a sociabilidade são alguns dos objetivos do Balaio de Memórias....

Casal doa valor dos presentes do casamento para hospital e emociona convidados

Quando casamos, além da festa, recebemos dos convidados presentes, certo? Mas, o casal Diego Grion Nunes, 36 anos, e Amanda Carolina de Oliveira Grion,...

Já imaginou tricotar o sapatinho do seu bebê? Foi o que esses pais fizeram e surpreenderam as mamães

Um dos temas mais discutidos atualmente é o papel ativo da figura paterna na criação dos filhos, compartilhando momentos e responsabilidades que antes eram...

Pais criam campanha para comprar remédio que pode curar a filha

Nos unimos à luta dos pais Renato e Talita Roda, de São Paulo (SP), para conseguirmos o valor de R$ 11 milhões para a...

Universidade em RS dá bom exemplo e faz sua primeira colação de grau totalmente inclusiva

A realização da colação de grau é obrigatória para todos os estudantes que se formam na universidade e vão pegar o seu diploma. Mas...

Instagram

Professora adapta aulas de dança para incluir aluno cego na PB 2