Estudantes fazem campanha e conseguem evitar que vendedor de salgados seja expulso do campus

Estudantes de uma universidade particular de Marília, interior de São Paulo, criaram uma campanha nas redes sociais para ajudar um vendedor de salgados que costuma trabalhar no campus, depois que ele foi intimado a deixar o local, pela prefeitura da cidade. José Augusto Marques Filho é conhecido como “Tio” e recebeu uma intimação no dia 22 de março.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Querido no local, os alunos perceberam o desespero de José e criaram a campanha #Ficatio nas redes sociais, o que acabou chamando a atenção de bastante gente e mobilizando mais pessoas do que eles esperavam. De acordo com a lei, ele estaria infringindo a Lei Concorrencial, pois: “O exercício da atividade ambulante no Município somente será permitido em local previamente definido e não concorrencial ao comércio regular”.

“Quando soube da denúncia, ele se desesperou. Me disse que nunca tinha tido problemas. Dá dó. Ele se emociona muito quando fala sobre o assunto”, afirma um dos alunos da faculdade, Maycon Oliveira, em entrevista ao G1. Foi então que, a estudante de nutrição, Mariana Pelegrini resolveu criar um evento no Facebook, convidando todos a irem até o local onde ele vende os salgados para assinar um baixo-assinado, que chegou a ter mais de 1200 assinaturas.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Assista este vídeo, em que José convida os alunos a assinarem o baixo-assinado criado por ele:

A indignação aconteceu porque o vendedor afirmava que possuía alvará e toda documentação estava em dia. Ele, inclusive, chegou a entrar com um recurso na prefeitura, pedindo para rever a ação: “Eu tenho todas as autorizações necessárias, todas. Meus documentos estão em dia. Eu ganho meu dinheirinho pra pagar as minhas contas, só isso”, ele disse em entrevista ao G1. Veja uma das postagens dos alunos envolvidos no movimento:

Tamanha repercussão deu certo e a prefeitura de Marília, afirmou que José realmente possui autorização para permanecer no local e que não será retirado do campus da Unimar, desde que ele venda produtos que não sejam vendidos na lanchonete da faculdade. Tio é aposentado, já trabalha nos arredores da Unimar há mais de 12 anos, é conhecido e extremamente querido pelos alunos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Agora, os alunos comemoram a presença do querido Tio e dão um recado: “Não tentem tirá-lo de lá novamente!”.

Com informações de G1

Fotos: reprodução Facebook / Mariana Pelegrini

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,400,451SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

“Coisa de preto”: o mundo primitivo do preconceito

Esse é um depoimento de alguém que foi visto por olhos pequenos por causa de sua cor. A sua resposta tem uma coisa de...

Mulher mantém luzes de Natal em homenagem ao pai, recebe carta de ódio e vizinhos têm a melhor reação

A família da Sara Pascucci sofreu duas grandes perdas no último mês: pai e tia faleceram em decorrência da Covid-19. Como a decoração de...

Adolescente leva amigo deficiente nas costas para a escola todos os dias há seis anos

Todos os dias nos últimos seis anos os amigos Xu Bingyang e Zhang Ze, ambos de 12 anos, têm sido inseparáveis. Quando tinha quatro anos, Zhang...

Políticos de Londres não têm direito a carro oficial e devem utilizar transporte público

Políticos de Londres, do prefeito aos vereadores, não têm direito à carro oficial ou motorista pagos com dinheiro público. Ao assumirem seus cargos, os políticos da capital...

Irmãos cadeirantes que se separaram em fuga da Síria se encontram 6 anos depois

O sonho de Alan Mohammad, de 31 anos, torna-se realidade: ele finalmente reencontra sua família que havia sido separada pelo conflito na Síria.

Instagram