Início SOCIAL Voluntariado Alunos fazem vaquinha para ajudar vendedora de cachorro-quente que perdeu carro em...

Alunos fazem vaquinha para ajudar vendedora de cachorro-quente que perdeu carro em chuva

Durante um temporal em maio de 2017, o carro que a vendedora de cachorro-quente Inês Silva utilizava para trabalhar foi atingido por uma árvore na Avenida Paulista, em São Paulo.

O acontecimento poderia ser o fim do negócio da vendedora, mas transformou-se num recomeço.

Com a ajuda de estudantes universitários de uma instituição ao lado de onde ela comercializa seus cachorros-quentes e sanduíches, Inês pôde comprar um carro novo para manter sua fonte de renda.

“Deus não fez só um milagre na minha vida, né? Ele salvou a minha vida porque eu sai do carro sem nenhum arranhão e mandou vocês, meus anjos, que vieram me socorrer”, desabafa.

Alunos fazem vaquinha para ajudar vendedora de cachorro-quente que perdeu carro em chuva
Árvore que atingiu o carro de Inês (veículo à esquerda, ao lado do táxi). Foto: Reprodução / TV Globo

Assim que souberam o que havia acontecido, os anjos de Inês se uniram para ajudá-la de alguma forma – decidiriam então criar uma vaquinha virtual.

“Em cinco dias a gente conseguiu quase R$ 6 mil. Professores, alunos, todo mundo doando pra ajudar a dona Inês”, relembra Luiza Araújo, estudante de Direito. Ela e vários colegas se acostumaram a ver a ‘tia Inês’ vendendo seus lanches na porta da faculdade.

Leia tambémJovens fazem vaquinha para ajudar catador de recicláveis que trabalha no Carnaval

O montante arrecadado foi suficiente para adquirir um carro do mesmo modelo que Inês havia perdido.

Retomada

A mágica acontece no porta-malas do carro. Dali saem cachorros-quentes e sanduíches maravilhosos. O queridinho da galera, sem dúvida, é o cachorro-quente de Inês. “Você acha que a minha chapeirinha é pequenininha, né? Mas ela é um monstro, sabia?”, valoriza a vendedora.

Alunos fazem vaquinha para ajudar vendedora de cachorro-quente que perdeu carro em chuva
Inês atende clientes próximo à Avenida Paulista — Foto: Reprodução / TV Globo

A autônoma afirma ser rígida com todos os cuidados higiênicos necessários para fazer um lanche seguro e saboroso – além disso, fez curso na Vigilância Sanitária e têm autorização da prefeitura para exercer seu trabalho de segunda a sexta-feira. Inês começa cedo e só para quando escurece.

Questionada sobre quantos lanches vende por dia, ela escorrega. “Um dia cobre o outro, mas graças a Deus está dando pra pagar a minha conta, colocar comida na mesa. A gente tem que agarrar as oportunidades, né? O brasileiro tem uma coisa bonita, ele é guerreiro, ele é forte, ele arregaça a manga, vai atrás. Faz pão em casa, faz bolo e vai vender porque se a gente esperar pelos nossos governo. Não tinha emprego, eu ia fazer o quê? Trabalhar pra mim”.

Leia tambémEx-morador de rua se torna escritor e lança livro com auxílio de vaquinha online

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Com informações do G1.

Relacionados

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

982,391FãsCurtir
1,679,634SeguidoresSeguir
8,247SeguidoresSeguir
11,000InscritosInscrever

+ Lidas

Designer da UFMG cria embalagem sustentável de pasta de dente que pensa fora da caixa – literalmente!

Um projeto acadêmico liderado por Allan Gomes, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), repensa a maneira como as embalagens são dispostas aos consumidores...

Mãe pede pizza só para ver o filho entregar no primeiro dia de trabalho

Lindo gesto de amor da mãe para incentivar o filho no novo trabalho!

Pesquisadora de Manaus desenvolve plástico biodegradável a partir do cará

Quem já comeu sabe o quanto o cará é saboroso. O tubérculo, que é bem parecido com o inhame, é rico em fibras e...

Casal gay adota bebê com HIV que foi rejeitada por 10 famílias

Pouco depois de nascer, Olivia foi abandonada em um orfanato. Na fila de adoção, foi rejeitada por 10 famílias. O motivo? A menina é...

Pesquisadores do Paraná criam membrana capaz de desenvolver pele e ossos

O futuro da medicina está cada vez mais próximo do presente. No Paraná, pesquisadores da Universidade Estadual de Londrina criaram uma membrana que é...

Instagram