National Geographic premia cientista colombiana por combater o comércio ilegal na Amazônia

O prêmio é mais do que merecido. Combater o comércio ilegal na Amazônia em tempos de risco de extinção de espécies e de devastação de áreas verdes é um trabalho que beneficia toda a sociedade.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ângela Maldonado é uma ecologista colombiana que há mais de 20 anos atua nesta causa de conservação do ecossistema na América Latina, particularmente na Amazônia colombiana e peruana, na fronteira com a Amazônia brasileira.

Ângela foi reconhecida pela National Geographic por sua incessante luta de combate ao tráfico e comércio ilegal de animais. Ela é uma das vencedoras do prêmio National Geographic Award Recipients 2020.

Índios do Pantanal pedem socorro: famílias estão vivendo em condições desumanas sem comida e água

“O tráfico de fauna para mim é um dos principais problemas para o ecossistema amazônico neste momento, pois a extração dos grandes mamíferos, dos grandes vertebrados do entorno faz com que os processos do ecossistema não se cumpram“, explicou.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Para ela, a corrupção e a devastação de áreas para cultivo de cocaína são outros dois dos grandes problemas enfrentados pela Amazônia.

A ecologista é diretora da Fundação Entropika em Letícia (Amazonas), sediada na cidade de Letícia, capital da Amazônia na Colômbia. A instituição realiza um trabalho de fiscalização junto com entidades do Brasil e do Peru em toda a região de fronteira da Amazônia.

Mulher de cabelos cacheados e camisa branca sorrindo à frente de um rio
Foto: Divulgação/Entropika

Uma das conquistas é que conseguimos interromper a extração de macacos que acontecia para consumo indígena ou para pesquisas ilegais sobre malária“, disse a ativista.

Em 2010, Ângela Maldonado também recebeu o Whitley Gold Award, popularmente conhecido como “Oscar Verde”. A cientista também foi classificada entre os 100 colombianos mais influentes na sociedade.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Veja o que diz a cientista:

O reconhecimento internacional, segundo a cientista, ajuda no trabalho de combate às ilegalidades na Amazônia. “Quando falamos em nível nacional, não acontece nada. Quando há denúncias internacionais, o trabalho do Estado é mais efetivo”, relatou.

Ela e sua equipe já sofreram várias ameaças. “Quando estamos defendendo a floresta, recebemos muitas intimidações. Então temos que continuar fortes e buscar apoio internacional. Temos que pensar que a selva tem que estar aí a longo prazo, então nossa contribuição é a conservação. Que sigamos trabalhando duro para proteger a Amazônia e todas as selvas tropicais“, finalizou.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Fonte: El Colombiano

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,415,745SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Voluntárias fazem ‘naninhas’ para amenizar o tratamento de crianças com câncer

As ‘naninhas’ ou travesseirinhos dão conforto e força para crianças que fazem tratamento contra o câncer e outras doenças crônicas.

A carta emocionante de uma aluna com membro amputado para o seu melhor professor de Educação Física

A carta de uma aluna para o seu "melhor professor de Educação Física", como ela mesma diz, é capaz de emocionar todo professor que...

Em foto tocante, menina de 5 anos ajuda irmão de 4 a vomitar após sessão de quimioterapia

Aubrey, 5 anos, massageou as costas do irmão, Beckett, 4 anos, enquanto ele vomitava no banheiro, após uma sessão de quimioterapia.

Cuba é o 1º país a erradicar casos de transmissão de HIV de mães para filhos

Cuba foi reconhecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como o primeiro país a eliminar a transmissão do HIV de mãe para filho, além...

Instagram