Vaquinha para ambulante que teve rosto desfigurado por ácido bate meta em menos de 24h

Adriano Laurindo teve o rosto desfigurado por ácido sulfúrico numa tentativa de homicídio. Pai de família, vende suco de laranja num semáforo movimentado de Franca (SP).

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Criamos uma vaquinha na VOAA para ajudar Adriano no sustento de casa. Em menos de 24h, batemos a meta! Obrigado, gente!!

Mesmo com medo do que as pessoas irão pensar sobre o seu rosto, Adriano não tem escolha. É por isso que ele sempre usa blusa com manga longa e capuz para esconder as cicatrizes das queimaduras de 3º grau.

Casado e pai de três filhos, faça chuva, faça sol, ele está lá. Mas como o movimento está muito menor por causa da pandemia, as vendas caíram bastante e as contas apertaram.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Por que não uma vaquinha para uma cirurgia plástica?

Junto com a Luísa Vissotto, que também nos ajudou na vaquinha do Jonas, estamos buscando profissionais que possam avaliar o caso de Adriano. Assim, poderemos orçar a cirurgia, que pode custa mais de R$ 100 mil.

Como isso pode demorar, decidimos ajudá-lo em casa. O valor da meta será de grande ajuda para a família de Adriano durante alguns meses. Clique aqui para doar.

De qualquer forma, caso você conheça uma clínica ou profissional que possa nos orientar, por favor, dá um alô pra equipe da VOAA no WhatsApp (11) 94756-9528.

ambulante rosto desfigurado
Adriano teve o rosto desfigurado numa tentativa de homicídio. Imagen: Balanço Geral SP/Interior

Tentativa de homicídio

Adriano morava em Brodowski (SP) e trabalhava num frigorífico durante o dia. À noite, vendia espetinhos em frente a uma boate.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Um dia, chegando no sítio onde morava, foi surpreendido por um homem que trabalhava com ele, que jogou ácido sulfúrico e desferiu 20 facadas no corpo de Adriano.

ambulante rosto desfigurado vendendo suco semáforo
Adriano sempre usa blusa com manga longa e capuz para esconder as sequelas da tentativa de homicídio. Imagen: Balanço Geral SP/Interior

Adriano só escapou da morte porque um rapaz que morava no mesmo sítio prestou socorro. Ficou oito meses internado no hospital. Adriano se recuperou, mas as sequelas da tentativa de homicídio são visíveis até hoje.

Além das queimaduras, ele perdeu uma de suas orelhas e alguns dentes. É por isso que você dificilmente vai ver Adriano vendendo suco de laranja sem uma blusa comprida com capuz, pois tem vergonha.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Cirurgia plástica

Esse é o grande sonho de Adriano. Ele deseja com todas as forças conseguir pagar uma cirurgia plástica para reparar as queimaduras no seu rosto. Mas um passo de cada vez.

Agora, é o momento de garantir a subsistência dele e de sua família. Vamos nessa?! Clique aqui e faça sua doação.

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,786,495SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Estudante mexicana cria plástico de casca de laranja que se decompõe em 90 dias

A estudante mexicana Giselle Mendonza venceu um concurso nacional apresentando um bioplástico que ela criou da casca de laranja. Giselle disse que sua ideia surgiu...

Garoto posta vídeo falando do bullying que sofre e recebe apoio de várias celebridades

Há alguns dias a história do menino americano, Keaton Jones, um jovem estudante da cidade de Knoxville, no Texas - Estados Unidos está bombando...

Todo mundo devia ler isso. Principalmente quem não tira a mesa

Somos maquininhas de inventar justificativas para os nossos comportamentos.

Mesmo sem renda, desempregada fornece almoço para famílias carentes da comunidade

Samara é uma dona de casa como muitas no Brasil. Ela vive com seus três filhos e o marido em uma casinha muito precária...

Black Friday da desigualdade: Contrate um profissional negro com 47% de desconto

Para a mesma função, um profissional negro recebe em média 47% menos que um branco.

Instagram