Amigos criam site de emprego voltado para transexuais e travestis

Já falamos algumas vezes aqui sobre como é difícil a vida de pessoas trans. O preconceito e a falta de oportunidade são as principais delas.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Porém, três amigos criaram o Transempregos em 2013 com o objetivo de ajudá-los a conseguir vagas no mercado de trabalho.

Além de oferecer vagas, quem é transgênero também pode cadastrar seu currículo e aguardar o contato de alguma empresa.

Um exemplo da importância do Transempregos nesse universo trans é a reportagem da Carta Capital com a travesti Luiza Marillac, que ficou conhecida na internet por causa do vídeo “E teve boatos de que eu estava numa pior…”. Hoje ela trabalha em um hotel no centro de São Paulo em uma vaga conquistada através do site.

“O contato da empresa com o cliente é direto, eles têm acesso aos dados disponibilizados pelo candidato que se inscreve para tal vaga. Ainda estamos desenvolvendo melhor o site – o que não aconteceu por falta de tempo – mas acabamos sabendo das efetivações quando as pessoas trans nos comunicam”, disse Paulo Bevilacqua, um dos fundadores do site em entrevista ao ekonomio.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Leia também: Projeto propõe isenção de impostos para empresas de Fortaleza que contratarem travestis

Como sempre falamos aqui, a melhor forma de combater intolerância e preconceito é com conhecimento e a falta de contratação de pessoas trans é pura desinformação.

Por causa disso, 90% das pessoas trans acaba trabalhando com prostituição ou salões de beleza, segundo a Associação Nacional de Travestis e Transexuais do Brasil (Antra).

O Brasil vem adotando medidas para diminuir o preconceito e as barreiras entre o público trans e o mercado. Já existe um guia da Promoção dos Direitos Humanos de Pessoas LGBT no Mundo do Trabalho, realizado pela ONU em parceria com a OIT (Organização Internacional do Trabalho). No guia você encontra dez compromisso e desdobramentos que empresas e empregadores podem desenvolver para driblar o preconceito contra lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e transgêneros.

Veja o vídeo da Luisa Marilac falando sobre sua nova situação de vida:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Fonte: ekonomio

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,110,307SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Moradores de Búzios passam um dia inteiro retirando baleia encalhada na areia

Eles comemoraram o retorno da jubarte para o mar com com palmas e gritos de felicidade.

Ela superou o bullying e se tornou a primeira líder de torcida trans da sua escola

A adolescente canadense Phoebe Cesinaro, 16, venceu a batalha contra o bullying e ainda se tornou a primeira líder de torcida transgênero da sua...

Projeto Tamar celebra 40 anos de fundação com 40 milhões de tartarugas soltas

Estima-se que apenas 1 em cada 1000 tartarugas marinhas chegam à fase adulta, isto é, quando atingem os 30 anos de idade. Assim, a...

O lindo relato da adoção de uma cachorra que virou a melhor amiga dessa garotinha

"Nós adotamos a Lucy de um abrigo em San Antonio (EUA) quando ela tinha cerca de quatro meses de idade. Ela tinha sido encontrada...

Com vaquinha do Razões, pedreiro reconstruirá casa que perdeu em incêndio ao lado de seu cão

A vaquinha do pedreiro Alcides arrecadou um pouco mais de 45 mil reais e agora ele reconstruirá sua casa ao lado do seu cão Quinho.

Instagram

Amigos criam site de emprego voltado para transexuais e travestis 3