Como este pai combate o machismo e outras formas de opressão na criação do filho

Davi ama dançar, para algumas pessoas, coisa de “menina”. Para o pai, apenas arte.


como combater machismo educação meninos
PUBLICIDADE ANUNCIE

O machismo é tão enraizado na formação dos meninos que vez ou outra um pai que apoia o filho em escolhas categorizadas como de “menina” surpreende positiva ou negativamente.

Tem gente que acha importante esse apoio, mas a grande maioria acha estranho. O personagem Bebeto (Eduardo Speroni) da novela “O Sétimo Guardião” (TV Globo) ama dançar, mas seu pai, Nicolau (Marcelo Serrado), acha coisa de “boiola”. Em momento algum Bebeto mostrou que gosta de meninos: apenas que gosta de dançar.

Infelizmente, nesse caso, a ficção tem um pé na vida do outro lado da tela. Por outro lado, existem exceções inspiradoras: situação bem diferente acontece com o Rafael Porto e seu filho, Davi, 9 anos. O garoto faz aulas de hip hop e já se apresentou em diversos palcos e concursos, inclusive, internacionais. Bebeto amaria viver na pele de Davi, em Fortaleza, onde a família mora.

como combater machismo educação meninos
Rafael e Davi

“Quando o Davi começou a dançar, eu e minha esposa conversamos com ele sobre as brincadeiras e insinuações que ele poderia passar com os colegas. A cara que ele fez foi até engraçada. Não conseguiu entender o que tem a ver dançar com o fato de ser gay e, muito menos, porque as pessoas zoam as outras por serem gays”, disse Rafael, em conversa com o Razões para Acreditar.

E olha que o ambiente em casa, segundo Rafael, é muito masculino. “Temos três garotos, um de 14, outro de 12 e o menor com 9 anos. Eles amam jogar futebol, brincar de atirar, de luta. De vez em quando temos que ‘apartá-los’ porque a brincadeira está pesada. O fato de deixarmos eles livres não interferiu em nada no ser masculino ou feminino. Eles são o que são.”

como combater machismo educação meninos

Esse é o ponto: combate-se o machismo na formação dos garotos deixando que sejam livres; o machismo é uma camisa de força: quanto mais apertada, menor é a liberdade. A família nuclear, afirma Rafael, exerce uma grande influência: é quem aperta ou joga pela janela a “camisa de força”.

A nova campanha da Gillette The Best Men Can Be (“O Melhor que o Homem Pode Ser”) segue essa linha de pensamento. A marca destaca uma preocupação com crianças sujeitas a pais machistas; reforça que os meninos serão os homens de amanhã e que as futuras gerações têm um papel importante na diminuição do machismo estrutural.

“O Davi, por exemplo, já se apresentou duas vezes no colégio, na frente dos coleguinhas dele de turma. Ele possui um lar que dá tanta segurança para ele que não tem medo de se arriscar!”, destaca Rafael.

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Publicado por @rafaelportocabral . “Esta semana Davi participará de mais um Festival de Dança. É o terceiro dele. Inevitavelmente lembro da primeira vez que o levei para fazer aula em uma turma de Hip Hop que iria abrir exclusivamente para meninos. Somente ele foi. Depois eu soube que outros meninos ficaram interessados, mas alguns pais (no masculino mesmo) não permitiram. Para mim foi um choque saber disso. Como assim? Impedir que o próprio filho manifeste sua arte? Expresse-se com seu corpo? Depois, o choque piorou… Em uma conversa com pessoas queridas, comentei sobre isto e logo uma delas (achando que estava nos elogiando) disse que éramos diferenciados, pois poucos pais apoiariam isso. Confesso que não entendi direito e deixei a pessoa continuar… Ela passou então a insinuar que estávamos apoiando a descoberta da sexualidade dele ao apoiá-lo na dança. Oi? Ainda existe gente que pensa assim? Então vamos lá… Primeiro que, uma coisa não tem nada a ver com a outra. O apoio no que ele ama fazer: a arte!!! Quer seja na dança, no desenho, nos vídeos, no teatro, na música ou…”no escambau a 4”. Sou daqueles pais que ficam ansiosos, orgulhosos, com os olhos cheios de lágrimas (várias vezes elas teimam em escorrer)…sou MUITO orgulhoso das conquistas de cada um dos meus filhos. Segundo que, até o presente momento, ele não manifestou nada com relação à uma possível homossexualidade (muito pelo contrário), mas se isso ocorrer, não mudaria absolutamente nada, pois também receberia todo o meu apoio e amor. Isso não o tornaria menos filho, menos homem e com menor valor. (Continua nos comentários)

PUBLICIDADE ANUNCIE

Uma publicação compartilhada por Razões Para Acreditar (@razoesparaacreditar) em

Essa segurança para conhecer e experimentar têm contribuído para a autoconfiança ou autoimagem de Davi. Até porque outro nome para o machismo é insegurança: insegurança do homem de estar na mesma posição de uma mulher e também insegurança com a sexualidade de outro homem; a homofobia é um braço do machismo.

“Uma vez minha esposa perguntou como ele ficava antes de se apresentar, afinal, é uma criança. Davi respondeu que ficava muito nervoso, mas que antes de dançar, pensava ‘eu vou ser um sucesso’ e aí ele entrava e arrebentava.”

como combater machismo educação meninos

como combater machismo educação meninos

como combater machismo educação meninos

Leia também: Padre Julio Lancellotti faz discurso poderoso contra o machismo e a homofobia

O respeito ao próximo também. Davi aprendeu desde mais novo que os sonhos, gostos e desejos dos outros devem ser respeitados, mesmo que sejam diferentes dos seus.

“Davi nos trouxe muita vida para nós, principalmente por meio da dança. Uma vez ele confirmou que estávamos no caminho certo. Quando eu o perguntei se ele era feliz. Ele respondeu que sim. Ao perguntá-lo o motivo ele logo respondeu ‘porque sou amado’. No final das contas, é somente isso o que importa: o amor”, finaliza Rafael.

Continue brilhando nos palcos desse mundão, Davi! 🕺

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

como combater machismo educação meninos

crédito das fotos: Arquivo da família

PUBLICIDADE ANUNCIE

PUBLICIDADE ANUNCIE

Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar