Ela largou um emprego estável, foi pra Amazônia, e lá descobriu um amor finlandês


Ela largou um emprego estável, foi pra Amazônia, e lá descobriu um amor finlandês 1
PUBLICIDADE ANUNCIE

Virgínia, formada em fonoaudiologia e estudando relações internacionais, um dia, depois de uma viagem pelo Brasil, resolveu sair de um emprego fixo e estável. Decidiu mudar radicalmente a sua vida.

É certo que essa viagem ajudou, e muito, esta decisão. Pelo Projeto Bagagem – organização sem fins lucrativos que visa ao empoderamento e desenvolvimento de comunidades através do turismo sustentável – resolveu viver na Floresta Amazônica, mais precisamente em Alter do Chão, Santarém – Pará. No início, com mala, muita coragem e 36 anos, ficou em uma pousada e durante o dia procurava emprego. Logo percebeu que esse “plano de negócios” não daria muito certo, e seu dinheiro acabaria rápido demais. Com ajuda da dona da Pousada, alugou na Vila, não uma casa, nem tampouco um quarto, mas um espaço numa varanda onde funcionara, por um tempo, um bar. Espaço apenas para uma rede e arremedos de armários improvisados com um latão e dois cajados. Banheiro? Do lado de fora. Banho? À luz do sol e do luar.

Com ajuda do amigo Chico Malta, que fazia apresentações de carimbó, passou um tempo tocando pandeiro como entretenimento para os turistas que chegavam por aquelas bandas. A sua presteza no pandeiro e a sua fluência no inglês lhe valeu conhecer Toby, um americano que desenvolvia uma pesquisa sobre o manejo de pesca dos ribeirinhos, além de ser coordenador dos Projetos da Várzea do Rio Amazonas no IPAM – Instituto de Pesquisa Ambientais da Amazônia – e Coordenador de Estudos da Região Amazônica da Universidade do Pará.

1044775_690986357584667_2068404980_n

Em abril, do mesmo ano, já estava trabalhando com Toby no IPAM, com bolsa pelo CNPq. E, assim, a vida ia sendo levada ao som do carimbó, do trabalho em pesquisa, de banho de rio e vento verde no rosto. Até que um dia …
Um pouco antes disso, em 2004, num curso de Economia Verde no Schumacher College, Inglaterra, conheceu a amiga Cristina. Amiga responsável por mais uma mudança em sua vida. Em 2006, Cristina, em uma viagem, sentou ao seu lado um finlandês curioso pela Floresta Amazônica. Não demorou muito para Cristina indicar a amiga Virgínia como a pessoa que ele deveria conhecer e que lhe proporcionaria dias de visita na Floresta Amazônica. Jukka era o seu nome.
Jukka estava a caminho de uma viagem pelo Brasil, era o seu ano sabático, e depois da Amazônia iria para o Rio de Janeiro entre outras cidades. Conheceu Virgínia, que foi paixão à primeira vista, mas sem reciprocidade.

Os dias iam passando, e Virgínia passou a perceber que Jukka já não tinha apenas interesse nas belezas naturais da Amazônia. Estava agora dividindo os seus olhares para Virgínia, também. Na época, Virgínia juntava o útil ao agradável, e ia levando o tempo com Jukka na maré dos rios da floresta. Mas um dia, Virgínia se rendeu pelos encantos de Jukka, e passou a organizar a sua estadia pela região, também.
Em uma dessas tarefas, um ato falho deflagrou ainda mais uma aproximação entre os dois. Ao marcar o táxi para o embarque no aeroporto para a viagem de Jukka, Virgínia confunde-se com os horários, e ele acaba por perder o voo. Motivo para mais uma vez os dois se encontrarem e um compromisso: pegar o frescobol na casa dos pais e trazer para ela na volta para Alter do Chão. Dito e feito.

Depois disso, as viagens eram entre Brasil e Finlândia, Santarém e Rovaniemi. Uma viagem para Finlândia do Brasil significava 24 horas – do Pará ao Rio de Janeiro, do Rio de Janeiro para qualquer país na Europa e depois mais um voo para Helsinki na Finlândia. E um trem até a cidade de Jukka, Rovaniemi. Para Jukka não era diferente, até um pouco mais. Isso acabou se tornando improdutível, e o fim (?) da história era se mudar de vez para a terra do Papai Noel. Isso quer dizer: sair de um clima tropical para dias de pouco, ou quase nenhum, calor. Muito frio.

Virgínia já estava se estruturando em Alter do Chão. Comprara um terreno e a vida se encaminhava de forma rotineira, mas o sonho de fazer uma pós-graduação ainda não havia saído da cabeça. Jukka, na Finlândia, em comunicação constante. Quando conheceu a Virgínia, ele já era pai de um filho de 28 anos e avô aos 44 anos. Na época estava com 52 anos. Quer dizer uma vida solidificada. Até que um dia…

Jukka fica mudo após receber a notícia que Virgínia tinha conseguido uma bolsa para estudar na Finlândia, que venderia o seu terreno e largaria os seus planos na Amazônia para ficar com ele. Por pouco tempo ele se calou, mas a fala era, agora, de preocupação e incertezas. Ele queria que as coisas se mantivessem como estavam. Os dois já tinham um novo encontro marcado, mas dessa vez nem tanto ao mar e nem tanto a terra, na Venezuela.

Depois do comportamento de Jukka, Virgínia desiste de viajar, mas a tempo Jukka a convence e se encontram na Venezuela com o compromisso de viverem, definitivamente, junto em Rovaniemi. Mas…

Santarém é um município do estado do Pará, Brasil, e o 3º município do Estado mais populoso. Temperatura oscila entre 20 e 35 °C. Já Rovaniemi é a capital e centro comercial da Lapónia, Finlândia, próximo ao Círculo Polar Ártico. É o 13º município finlandês em população e apresenta temperatura média anual de +0.2 °C.

PUBLICIDADE ANUNCIE

E será essa realidade que Virgínia vai encontrar. Apesar de realizar seu sonho e estar ao lado da pessoa que escolheu para compartilhar a vida, as diferenças eram muito grandes e, após o término do mestrado, resolve voltar de vez para o Brasil, para a sua cidade, Rio de Janeiro. Mas a história não acaba aqui.

Depois de muitos percalços e problemas familiares de ambos os lados, no final de 2013, Jukka veio fazer uma visita a Virgínia. Na partida, Virgínia descobre que estava grávida.

Jukka, volta ao Rio mais uma vez, próximo da data do parto. 20 de outubro de 2013, Lia nasce, um dia após seu pai ter partido para Finlândia.

Virgínia, Jukka e, agora, Lia, seguem a vida numa “ponte aérea” Rio de Janeiro – Helsinki.

Veja as fotos:

1962724_10152647095642501_790509909_n

17086_10153733599762501_6227090641841021815_n

10389328_889294907762461_6062254826453865332_n

10405384_10154012143392501_4888741525518209875_n

Fotos: Arquivo Pessoal

Cacá Valente é designer, mestre em história da arte, produtor e gestor cultural

PUBLICIDADE ANUNCIE


PUBLICIDADE ANUNCIE

Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar