Enfermeira adota criança especial abandonada pela família no hospital

A enfermeira não pensou duas vezes antes de adotar a criança.


enfermeira adota criança abandonada família
PUBLICIDADE ANUNCIE

A enfermeira Solange Maria Pires não pensou duas vezes antes de adotar o pequeno Ronei Gustavo Pires, então com um ano de idade, depois que a família disse não querer ficar com o menino. O desfecho da adoção aconteceu no início de 2008 e Solange diz não se arrepender da decisão que mudou sua vida: “Pari ele com meu coração”.

Solange trabalhava havia dois anos na empresa Help Vida quando soube do caso de Ronei. Na época, a criança estava internada no Hospital Julio Müller, em Cuiabá (MT), com neuropatia crônica não evolutiva e uma convulsão difícil de controlar. Após avaliação, Ronei ganhou o benefício do serviço de Home Care, porém não foi aceito pela família.

Família desestruturada

A enfermeira foi até a casa da família para verificar se o imóvel suportaria a estrutura médica. Chegando lá, se deparou com problemas sociais, financeiros, estruturais e psicológicos. A família enfatizava que não tinha condições de ficar com a criança, não sabia onde Ronei estava internado e não quis receber Solange.

“Não deu certo, a família morava em uma residência em situação muito precária, no final do bairro Doutor Fabio 2, não havia condições nenhuma de leva-lo para lá com o Home Care”, diz Solange.

enfermeira adota criança abandonada família
Ronei em um quarto adaptado na casa de Solange

Busca incansável por Ronei

Solange começou uma busca incansável por mais informações sobre Ronei, até descobrir que o menino estava internado no mesmo hospital onde trabalhava como concursada do Estado. “Eu trabalhava no setor adulto e nunca havia cruzado com a história do Ronei, que estava internado na ala pediátrica, nunca tinha visto ele”, lembra.

A juíza orientou a Help Vida e o Estado a providenciarem uma moradia nova para a família receber Ronei. Durante a espera, o garoto recebeu alta e o hospital solicitou que a criança fosse levada para algum lugar. Ronei acabou sendo levado para um quarto adaptado dentro da Help Vida.

A equipe avisou à família que o menino poderia ficar no local até que a situação da casa fosse resolvida. Porém, durante esse tempo, a família foi visitar Ronei uma única vez e a visita durou apenas 15 minutos.

enfermeira adota criança abandonada família
Solange não pensou duas vezes antes de adotar Ronei e dar todo o amor que ele merece

“Só foram lá e olharam para ele, não demonstraram interesse nenhum nem em saber como ele estava”, lamenta Solange.

Ronei ficou cerca de três meses no quarto da Help Vida. Nesse tempo a dona da empresa disse que a situação precisava ser resolvida, pois a empresa não poderia continuar abrigando o menino como se fosse sua casa e que ele precisava de um lar.

Guarda temporária

Mãe de dois filhos adultos e divorciada há 15 anos, Solange, que já morava sozinha, decidiu levar Ronei para morar em sua casa. A enfermeira adaptou seu quarto e colocou a cama do menino ao lado da sua.

Solange e a equipe da Help Vida foram orientados pelo promotor a informar a situação de Ronei caso a criança fosse procurada pela família, para que pudesse explicar os motivos do menino ter sido retirado da empresa e encaminhado para um lar.

PUBLICIDADE ANUNCIE

“Fiquei aguardando, sabia que a qualquer momento o telefone poderia tocar e alguém me falaria que a família foi atrás do menino, mas isso nunca aconteceu, eles nem perceberam que o Ronei não estava mais na Help Vida”, relata Solange.

enfermeira adota criança abandonada família

Dois meses depois, o pai de Ronei apareceu na Help Vida, mas não era para saber do filho. Ele foi questionar porque a casa nova não havia sido disponibilizada para a família. Mas saiu de lá sabendo apenas que Ronei tinha ido para um lar temporário.

Solange ficou com a guarda temporária de Ronei durante um ano, sendo acompanhada por assistentes sociais e tendo que encaminhar fotos da criança para a juíza acompanhar a situação. Até que Solange recebeu uma intimação para comparecer à Vara da Infância e Juventude.

“Eu pensei comigo, agora a família pediu ele de volta. Ronei já estava com dois anos e era um direito dos pais querer ele de volta.”

Audiência de adoção 

A enfermeira chegou ao fórum e encontrou os pais e avós de Ronei. Nenhum deles quis saber como o menino estava, não pediram foto nem falaram com Solange. Solange esperou a juíza chamar seu nome.

Depois de uma hora de audiência, a família saiu calada da sala da juíza. “Quando entrei a juíza me disse: ‘Em todos os anos que eu estou aqui trabalhando com criança eu nunca vi isso, eles simplesmente me disseram que não querem ele’”, diz emocionada.

A juíza explicou a situação e disse para Solange que ela não tinha obrigação de ficar com a criança, pois a guarda era provisória, que não havia problema algum se ela não pudesse ficar e que seria marcado um dia e horário para que fossem buscar Ronei.

Mas Solange já estava decidida: “Eu disse para ela: ‘Doutora, eu vim preparada para brigar na Justiça por ele’”. 💓 Solange recebeu a documentação definitiva da guarda de Ronei 15 dias depois da audiência.

Paralisia 

O garoto nasceu no dia 5 de maio de 2006, no Hospital Geral, e já nas primeiras horas de vida apresentou um quadro severo de convulsões. A equipe médica solicitou que a criança ficasse internada para observação. A família, segundo Solange, não esperou a alta e foi embora levando a criança.

Aos 8 meses, sem acompanhamento e a medicação correta, Ronei teve uma convulsão quando estava mamando e acabou broncoaspirando o leite. A família demorou para levar a criança para receber atendimento médico. Ao chegar no Pronto Socorro de Cuiabá, o cérebro de Ronei já havia sido afetado pela falta de oxigênio, ocasionando a paralisia.

O quadro poderia ter sido evitado se não fosse pela demora no socorro da criança, explica Solange. Ronei possivelmente continuaria o tratamento com os anticonvulsivos, mas estaria andando, se alimentado e vivendo como outras crianças.

Hoje, Ronei toma diversos anticonvulsivos, precisa de ventilação mecânica, se alimenta por sonda e recebe assistência 24 horas por dia. Solange afirma que continua recebendo assistência da Help Vida e que as contas de energia elétrica são pagas pelo Estado, benefício concedido junto com o Home Care.

Leia também: Mãe doa parte do intestino para salvar vida da filha em cirurgia inédita no Brasil

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Fonte: Olhar Direto/Fotos: Rogério Florentino

PUBLICIDADE ANUNCIE


PUBLICIDADE ANUNCIE

Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar