Pai de vítima consola mãe de sequestrador morto na Ponte Rio-Niterói

“Tentei passar um pouco de conforto para ela, que perdeu um filho."


pai consola mãe sequestrador morto ponte rio-niterói
PUBLICIDADE ANUNCIE

“Tentei passar um pouco de conforto para ela, que perdeu um filho”, disse Paulo César Leal, pai de uma das vítimas do sequestro do ônibus na Ponte Rio-Niterói. Paulo tentou consolar a mãe do sequestrador, morto na manhã desta terça-feira (20), com um abraço sincero e afetuoso, demonstrando que existe dor dois lados!

A filha de Paulo, a professora Raiane Leal, 23 anos, estava entre os 37 reféns de William Augusto da Silva, 20 anos. Paulo acompanhou Raiane até a Delegacia de Homicídios para prestar depoimento e chegando lá, encontrou a mãe de William.

“Sou evangélico e acredito que, como cristão, temos que amparar essa mãe. Tentei passar um pouco de conforto para ela, que perdeu um filho”, disse Paulo.

O aposentado soube do sequestro pela televisão, mas não pensou que a filha pudesse ser uma das vítimas.

PUBLICIDADE ANUNCIE

“Eu soube do sequestro pela televisão, mas não imaginava que a minha filha pudesse estar nesse ônibus, porque ela sempre sai de casa mais cedo. Quando eu vi a primeira vítima sendo liberada, vi que ela tinha exatamente os mesmos traços da minha filha. Fiquei completamente assustado com o que vi mas, ao mesmo tempo, senti um alívio muito grande em saber que ela estava saindo”, contou.

Logo após ser liberada, Raiane entrou em contato com a família por telefone para dizer que estava tudo bem.

Segundo alguns reféns, William parecia estar calmo e dizia a todo momento que não queria machucar ninguém – mas também que só sairia dali morto.

“Ele dizia que queria entrar para a História e que a gente teria muita história para contar para nossos amigos e família hoje, mas que ele ia morrer”, contou uma das vítimas.

Fonte: OFLUMINENSE/Foto: Douglas Macedo

PUBLICIDADE ANUNCIE


PUBLICIDADE ANUNCIE

Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar