Jovem homenageia irmã com Down em tatuagem de cromossomos e a letra dela


Jovem faz tatuagem em homenagem à irmã com Down usando como base a letra dela
PUBLICIDADE ANUNCIE

O aprendiz de Administração Vitor Bruno de Araujo, 20 anos, decidiu homenagear sua irmã, a estudante Bruna Ferreira de Araujo, 23 anos, com uma tatuagem personalizada – ele só não esperava que sua iniciativa se tornasse viral nas redes sociais.

No Twitter, Vitor postou um vídeo de um minuto que mostra a relação de amor, cuidado e carinho entre ele e Bruna. O post recebeu mais de 40 mil curtidas e foi compartilhado 10 mil vezes. Os irmãos moram em São João de Meriti, no Rio de Janeiro.

De surpresa, Vitor fez uma homenagem dupla à Bruna, que tem síndrome de Down. Ele tatuou a trissomia 21 (o indivíduo com Down possui três cromossomos 21, ao invés de dois) e o nome da irmã, escrito por ela mesma.

[Aos 23 anos, o Julio, que tem autismo severo, precisa ser amarrado em momentos de crise. Também por falta de tratamento ele parou de falar há muitos anos e precisa de um acompanhamento em clínicas e psicoterapeutas. Queremos custear um tratamento pra ele e comprar moveis para a família em Fortaleza (CE) viver um pouco melhor. Contribua aqui.]

“Tenho muito orgulho de ter essa responsabilidade em minha vida e prometo sempre tentar ser o melhor pra você, irmã”, escreveu o jovem na legenda do post.

Jovem faz tatuagem em homenagem à irmã com Down usando como base a letra dela

Tatuagem para irmã com Down

“Sempre tive convicção de que faria alguma coisa para a Bruna e tentava fugir de ideias batidas, de fazer o nome dela, com fonte comum. Pesquisando, tive a ideia do cromossomo 21, até por ser algo do cariótipo [conjunto de cromossomos], que meus pais detectaram, e eu optei por usar a trissomia, não a ‘versão romantizada’. A assinatura dela foi para dar uma identidade na tatuagem e para ficar mais fácil de ela identificar, ver que ela que fez”, explica.

Jovem faz tatuagem em homenagem à irmã com Down usando como base a letra dela

Veja o vídeo:

PUBLICIDADE ANUNCIE

“Comecei a me conscientizar”

Por terem uma diferença pequena de idade – três anos – os dois sempre foram bem próximos, desde crianças, mas por ele ter avançado mais no colégio, a relação foi mudando com o passar do tempo.

“De 7 a 12 anos, isso desencontrou nossos pensamentos. Para quem convive com pessoas com deficiências, é natural ter momentos menos envolvidos com a causa. Até que eu comecei a me conscientizar. Eu até brinco no meu trabalho que eu já nasci com uma filha. E é verdade. Meus pais tendem a ir antes de nós, e a Bruna é minha responsabilidade.

Leia também: Para celebrar 30 anos de amizade, idosas fazem tatuagem de ‘copo de cerveja’

“Quando eu entrei nesse mindset, acabei buscando me preparar. Mas, não vou mentir, dizer que é uma relação mil amores, porque nenhuma relação de irmão é. E a gente foca em ter uma criação bem natural com ela, sem nenhum cerco”, pontua.

Repercussão

“Ela ficou muito feliz com a repercussão que isso gerou, até porque aproveitei para divulgar a questão das Apaes, que são colégios para pessoas com deficiência. E eu a deixei a par do que estava acontecendo na internet.”

Leia também: Campanha com tatuagens interligadas mostra que temos mais coisas em comum do que diferenças

As curtidas e comentários no Twitter, perguntando sobre Bruna, geraram outro tuíte de Vitor falando mais sobre a irmã, que é “fã número 1 de Luan Santana”.

Você conhece o VOAA? VOAA significa vaquinha online com amor e afeto. E é do Razões! Se existe uma história triste, lutamos para transformar em final feliz. Acesse e nos ajude a mudar histórias.

Fonte: Universa (UOL)/Fotos: Reprodução/Twitter

PUBLICIDADE ANUNCIE


PUBLICIDADE ANUNCIE

Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar